Saudade: News from and for the Brazilian community/Notícias de e para a comunidade brasileira

Brazilian Faces: Rozana Pires

0
Rozana Pires on her daughter's wedding this summer. Fernando Vargas, Rozana Pires and Rachel Vargas - Courtesy of Rozana Pires

A tradução deste artigo se encontra no final da versão em inglês

This month’s Brazilian face is Rozana Pires. She arrived in the U.S. in May 1985, and on the Island in 1991. During our interview, I discovered that she worked for Martha Stewart when she first arrived in the U.S., she was the first Brazilian on the Island to start a cleaning business, the first Brazilian to be offered a Portuguese teacher position for the West Tisbury School, and the first Brazilian to open a Brazilian bakery, among many other firsts.
I arrived at Rozana’s house for this interview on a Sunday evening and didn’t leave until almost midnight. My conversation with her made me so grateful for all of the hard work that other Brazilians who came before me put in so that the new wave of Brazilians on the Island could have access to the life we have.

How did you end up in the U.S.?
I had a very good life in Brazil. Fortunately, my parents also had a very good financial life. I came to the U.S. for a 10-day visit. When I arrived at the airport, the friend whom I traveled with was deported with her two children — somehow, back in 1985, Customs was aware that her husband was in the U.S. and had overstayed his visa. I spoke a little bit of English, and went to the Wellington Hotel in New York, and was helped by a Brazilian doctor from São Paulo, who was also in line to check in at the same hotel. He guided me on how to make international phone calls to my family and my friend’s husband. My husband’s friend came to pick me up, and he brought me to Bridgeport, Conn. I met a lot of nice Brazilians who lived in Bridgeport, and they kept encouraging me to stay. I fell in love with this country the moment I arrived. Everything about it was fascinating to me; I felt like I was in the movies I used to watch, and so I stayed. In October 1985, I met my ex-husband, who is American-Portuguese. We lived in Connecticut and then Maryland, and ultimately in 1991, we moved to the Island because he had received a job proposal.

How was life in Connecticut? Where did you work?
Oh, there are some amusing memories from that time. I remember that we couldn’t open bank accounts because we didn’t have Social Security numbers, and people would get paid in cash or ask their friends who had Socials to cash their checks. People would put their money in tinfoil in the freezer. I used to put money in a sock and keep it in a drawer. I’d give my friends my family’s number in case something happened to me, and tell them that my money was in the drawer or inside the trash in the room I rented. When I came to visit the U.S. for the first time, my father bought my plane ticket and gave me U.S. $1,000 and with this money I bought a U.S. $600 car, got a driver’s license, and paid for the car insurance. I met some Brazilians who became my friends, and who were also American citizens, and worked for Martha Stewart. I didn’t even know who she was, but I have very fond memories of that time. I remember that these friends of mine had a cousin, Celso, who didn’t speak much English. One day, it was his birthday, and Martha Stewart had a cake that she was bringing somewhere, but she said that she would use the cake, symbolic, to have everyone sing happy birthday to Celso. He didn’t understand the symbolic part and cut the cake. He was an endless source of laughter, as he would confuse the directions Martha had given to him to feed the chickens and would take the chickens’ food to the kitchen. She paid me cash, $12 an hour at the time, as she didn’t like to hire people illegally, but there were too many parties, and she needed help, and so I was hired. Oh, if I had the chance to taste Martha’s cooking today. I had just arrived, and my palate was still used to Brazilian food. I used not to be able to drink orange juice here, as it didn’t taste as fresh; I thought the pizza needed oregano, and I didn’t appreciate her cooking in the way I would today.

Rozana Pires with her two children, Rachel and Tony Jr. in front of the Steamship building in January of 1994 – Courtesy of Rozana Pires

What were your first impressions of the Island, and were there a lot of Brazilians?
It felt so small, and you could count the Brazilians on one hand. We moved to the Island at a time where the Island was well-known, and the Clintons were starting to come to visit. It is interesting to think about how casual it was. There was the Secret Service, but not in a crazy manner. Most Brazilian women back then worked at the Kelley House and the Harbor View. No one was cleaning houses the way they do now. I had the idea of starting to clean homes because it was something I did in Connecticut. Also, I don’t believe that the Brazilian women here at the time had a lot of contact with the Americans on the Island, or spoke English; it was very limiting. I was married to an American-Portuguese citizen and had more exposure to the business. My sister-in-law at the time had a construction company that was very big, and every time they’d finish a job, they would ask me to clean the house, and so I started to mount a good number of homes I regularly cleaned and built a business that I still have today. My ex-husband even built me a Brazilian bakery, which was called Tony’s Bakery, that we ended up having to close down because there was no business; there were not enough Brazilians to cater to, and that was also a leading contributor to building a cleaning business.

Did you have other jobs?
There was no one to translate at that time. I remember that my son, Tony Jr., was playing soccer, and when another kid accidentally hit him while they were playing soccer, my son said something to him in Portuguese and told the kid that his mother was Brazilian and his father was Portuguese — this news was music to this kid’s ears, as he immediately said that I was going to be able to help his family. That kid was Michelliny Chaves’ nephew; their family is also among the first Brazilians to arrive on the Island, and we became friends because of our children. Doctors’ offices would call me asking me to translate for the Brazilian families who needed to get their children ready to be enrolled in school. In 1994, I was hired by the Tisbury School to do some cleaning and help with translation when necessary. Also in 1994, Bob Tankard, who was the principal of the West Tisbury School, asked me if I wanted to teach Portuguese as an introductory course to the kids, as in Brazil I was a Portuguese teacher, but the pay was very little, and with it, I couldn’t even pay for childcare for my youngest daughter Rachel, and then I suggested the position to a Brazilian young man from the northeast part of Brazil who was studying to become a priest — his name was Albertino, I don’t remember his last name — and the children loved him.

When did you notice that the number of Brazilians on the Island was growing?
It was in 2000. At that time it was nearly impossible for people to get a visa, and the Mexican route became very popular, and every day there would be a large number of Brazilians arriving — all at once and from the same place in Brazil. I didn’t even know that Cuparaque or Mantenópolis existed. My ex-husband came to the Island before I did, and he mentioned that there were Brazilians on the Island who were from Cuparaque, and I told him that such a place didn’t exist. I told him that the Brazilians were making fun of him by saying that they were from Cuparaque. My sister, who worked in Brazil as a federal prosecutor at the time, suggested during one of our visits to Brazil that we go to Belo Horizonte’s public library to investigate if the places the Brazilians were saying they were from indeed existed, and so we did, and we researched all of the available maps at the library to see where these places were located. It baffled us how these Brazilians from such a tiny place, not even known to most Brazilians, had gotten to such a small Island in Massachusetts. I think what ended up happening is that one person came and had a good experience, and this person started to tell their relatives and other people from their hometown that the Island was a good place for people to start a new life and gain financial stability.

Rozana Pires and her son Tony Jr. Pires in West Tisbury in 1992 – Courtesy of Rozana Pires

When did you become an American citizen?
I arrived in the U.S. a year before Ronald Reagan signed a sweeping immigration reform bill into law, what we came to know as the amnesty. I acquired the legal resident alien status through marriage, but I would have qualified for the amnesty. My ex-husband was always very hesitant of me becoming a U.S. citizen because he thought I would lose my Brazilian citizenship since that is what happens for Portuguese citizens. Then, one day, my brother asked me why I wouldn’t apply for U.S. citizenship, and because I was confused and didn’t understand the rules, I called Immigration to ask for information, and when I became aware that I wouldn’t lose my Brazilian citizenship, because Brazil allows its citizens to have more than one citizenship, I started the process in 2000. I remember taking my two kids on a plane from M.V. to Rhode Island to do my biometrics for the citizenship. John Kennedy Jr. had just tragically lost his life in a similar aircraft, and my kids were apprehensive the entire plane ride. But overall, it was a relatively simple process. One of my clients had a doctorate in American history, and she helped me study for the test. My ceremony had 262 people who were becoming naturalized American citizens.

Do you feel more American or Brazilian?
American. I feel at home in this country. I feel safe in a way that I never have in Brazil. Whenever I go back to Brazil to visit, I get paranoid that someone is going to rob me or something horrible will happen. Besides, the poverty shocks you. When you live in Brazil, it is as if you become desensitized to it, but when you live in a country where as long as you are willing to work you will have a chance to live a life with dignity, it is heart-wrenching to see that this is not the reality in other places. I will give you an example: In this country, if you are a house cleaner, people know and respect you, and you have your dignity. In Brazil, people who do the same kind of job I do are considered second-class citizens, the elite in Brazil see these people as servers, invisible. I take my car to the job sites; in Brazil, the house cleaners at times take two buses to get to their jobs. My American clients are so generous to me, always have been. They always treat me with respect. I have options as to when I want to work, morning or afternoon, and make enough money to pay my obligations, to live a good life. It is the same job, but two very different realities.

Do you find that Americans are more generous than Brazilians?
Absolutely. Americans see others’ misfortunes and help with generosity. They recognize and appreciate what you are and what you bring to the table. They are also straight to the point, which can seem cold, but more often than not, you know where you stand with an American. Americans value honesty, education, not necessarily appearances. I suppose I say this because in Brazil it is all about what brands you associate yourself with, not what you bring, what your values are, which is so empty.

Rozana Pires and Selma Santana in May of 1999. Selma was also one of the first Brazilians to arrive on Martha’s Vineyard and still resides on the Island – Courtesy of Rozana Pires

How do you think that the Brazilian community has evolved since 1991?
A lot more people started to come, and from different regions in Brazil. When I lived in Connecticut and Maryland, I met a lot of Brazilians who were doctors, engineers, lawyers, as well as Brazilians who worked for the Brazilian Consulate in D.C. The cultural and educational backgrounds of these Brazilians were different from the Brazilians who first moved to the Island. The Brazilians on the Island were here to chase the American dream, and they were workers, hard workers. I noticed that nowadays, the Brazilians arriving are a bunch of young people who are not being offered opportunities at home. These people have degrees, passed complicated tests to acquire licenses for careers they can’t pursue. They get here, and they want to learn English, assimilate themselves into the American culture, work hard, study, grow.

How do you feel about the current immigration scenario in this country?
It is shameful that countries in Central and South American can’t take care of their citizens. I don’t feel that it is the U.S.’s responsibility to deal with the problems caused by corruption in these countries, but I understand the desire of people searching for dignity, a safer place, a chance to have a better life. People don’t put their children’s lives in danger if the prospect of what is elsewhere, even if it is a dream, is a fraction better than what they have in their home countries. People don’t abandon their references because they are trying to become a burden. They want to contribute; they want a chance to exist with dignity. In the U.S., we have so much; we are so fortunate, everything is in an abundant state — especially when compared with some of these places people are fleeing from. I suggest that people go travel to less fortunate places, to see with their own eyes how lucky we are and that because we are all the same, we must help one another. We are all connected; what hurts you will inevitably hurt me too. We must have compassion for one another. We stand in a privileged position to help other human beings. We only get better as people when that’s what we choose to do when we step out of our comfort and are willing to see things from a different perspective. God has given my family and me so much, and I feel personally responsible for giving back, to contribute. It will only remain a utopia if we choose to close our eyes and do nothing.

Portuguese Translation – Tradução em português

O rosto brasileiro deste mês é Rozana Pires. Ela chegou aos EUA em maio de 1985 e na Ilha em 1991. Durante nossa entrevista, descobri que ela trabalhou para Martha Stewart quando chegou aos EUA, ela foi a primeira brasileira na Ilha a iniciar um negócio de limpeza, a primeira brasileira a ser oferecida um cargo de professora de português para à escola de West Tisbury, e a primeira brasileira a abrir uma padaria brasileira, entre muitas outras primeiras aventuras.
Cheguei à casa de Rozana para esta entrevista em um domingo ao anoitecer e fui embora quase à meia-noite. Minha conversa com ela me deixou muito agradecida pelo trabalho árduo que outros brasileiros que vieram antes de mim colocaram para que a nova onda de brasileiros na Ilha pudesse ter acesso à vida que temos.

Como você veio parar nos EUA?
Eu tinha uma vida muito boa no Brasil. Felizmente, meus pais também tinham uma vida financeira muito boa. Eu vim para os EUA para uma visita de 10 dias. Quando cheguei ao aeroporto, a amiga com quem viajei foi deportada com seus dois filhos – de alguma forma, em 1985, a imigração já estava ciente de que o marido dela estava nos EUA e havia passado do prazo de permanência. Eu já falava um pouco de inglês, e fui para o Wellington Hotel em Nova York e recebi ajuda de um médico brasileiro de São Paulo, que também estava na fila para fazer o check-in no mesmo hotel. Ele me orientou sobre como fazer ligações internacionais para minha família e para o marido da minha amiga. O marido da minha amiga foi me buscar, e ele me levou para Bridgeport, Connecticut. Conheci muitos brasileiros muito bacanas que moravam em Bridgeport, e eles me encorajaram a ficar. Eu me apaixonei por este país no momento em que cheguei. Tudo sobre este lugar era fascinante para mim; eu me sentia como se estivesse em um dos filmes que eu costumava assistir, e então eu fiquei. Em outubro de 1985, conheci meu ex-marido, que é americano e português. Moramos em Connecticut e Maryland e, finalmente, em 1991, nos mudamos para à Ilha porque ele havia recebido uma proposta de emprego.

Como era a vida em Connecticut? Onde você trabalhou?
Ah, há algumas lembranças divertidas daquela época. Lembro-me de que não podíamos abrir contas bancárias porque não tínhamos o número do CPF americano, e as pessoas eram pagas em dinheiro em espécie ou pediam aos amigos que tinham o CPF americano para descontar seus cheques. As pessoas colocavam seu dinheiro em papel-alumínio no freezer. Eu costumava guardar dinheiro em uma meia e colocava esta meia em uma gaveta. Eu tinha dado aos meus amigos o número de telefone da minha família caso algo acontecesse comigo e dizia a eles que meu dinheiro estava na gaveta ou dentro do lixo do quarto que aluguava. Quando vim visitar os EUA pela primeira vez, meu pai comprou minha passagem de avião e me deu US$1.000 e, com esse dinheiro, comprei um carro de US$600, adquiri a carteira de motorista e paguei pelo seguro do carro. Conheci algumas brasileiras que se tornaram minhas amigas e que também eram cidadãs americanas e que trabalhavam para à Martha Stewart. Eu nem sabia quem ela era, mas tenho boas lembranças daquela época. Lembro que estas minhas amigas tinham um primo, o Celso, que não falava muito inglês. Um dia, era seu aniversário, e Martha Stewart tinha um bolo que ela estava levando para algum lugar, mas ela disse que usaria o bolo, simbolicamente, para que todos cantassem feliz aniversário para o Celso. Ele não entendeu a parte simbólica e cortou o bolo. Ele era uma fonte inesgotável de risadas, pois confundia as instruções que Martha lhe dava para alimentar as galinhas e levava a comida das galinhas para a cozinha, já que ambas palavras soam parecidas em inglês. Ela me pagava em dinheiro em espécie, US$12 por hora na época, já que ela não gostava de contratar pessoas ilegalmente, mas havia muitas festas e ela precisava de ajuda, e então eu fui contratada. Ah, se eu tivesse a chance de provar a comida da Martha hoje. Eu acabara de chegar e meu paladar ainda estava acostumado com a comida brasileira. Eu não bebia suco de laranja aqui, porque não tinha gosto de fresco; eu achava que a pizza precisava de orégano, e eu não apreciei a culinária dela da maneira que eu faria hoje.

Quais foram suas primeiras impressões sobre à Ilha, e havia muitos brasileiros?
Parecia tão pequena e você podia contar nos dedos os brasileiros. Nós nos mudamos para à Ilha numa época em que à Ilha já era bem conhecida, e os Clinton começaram a visitá-la. É interessante pensar em como era casual. Havia o Serviço Secreto, mas não de maneira maluca. A maioria das mulheres brasileiras naquela época trabalhavam no Kelley House e no Harbour View. Ninguém estava limpando as casas como elas fazem agora. Eu tive a idéia de começar a limpar casas porque era algo que eu fazia em Connecticut. Além disso, não acredito que as mulheres brasileiras da época tivessem muito contato com os americanos na Ilha ou falassem inglês; era muito limitado. Eu era casada com um cidadão americano-português e tinha mais exposição ao negócio. Minha cunhada na época tinha uma empresa de construção que era muito grande, e toda vez que eles terminavam um trabalho, eles me pediam para limpar a casa, e então eu comecei a montar um bom número de casas que eu regularmente limpava e construí um negócio que ainda tenho até hoje. Meu ex-marido até montou uma padaria brasileira para mim, que se chamava Tony’s Bakery, que acabamos tendo que fechar porque não havia negócios; não havia brasileiros suficientes para atender, e isso também foi um dos principais contribuintes para a construção de um negócio de limpeza.

Você teve outros empregos?
Não havia ninguém para traduzir naquela época. Lembro-me que meu filho Tony Jr. estava jogando futebol e, quando outro garoto o atingiu acidentalmente enquanto jogavam futebol, meu filho disse alguma coisa para ele em português e disse ao garoto que sua mãe era brasileira e seu pai era português – essa notícia era música para os ouvidos desse garoto, quando ele disse imediatamente que eu poderia ajudar à família dele. Aquele garoto era sobrinho da Michelliny Chaves; a família deles também está entre os primeiros brasileiros a chegar à Ilha, e nos tornamos amigos por causa das crianças. Os consultórios médicos me telefonavam pedindo-me para traduzir para as famílias brasileiras que precisavam preparar seus filhos para serem matriculados na escola. Em 1994, fui contratada pela Tisbury School para fazer algumas limpezas e ajudar na tradução quando necessário. Também em 1994, Bob Tankard, que era o diretor da West Tisbury School, me perguntou se eu queria ensinar português como um curso introdutório para as crianças, como no Brasil eu era professora de português, mas o salário era muito pequeno, e não dava nem para pagar uma babá para a minha filha mais nova, Rachel, e então sugeri a posição para um jovem brasileiro do nordeste do Brasil que estava estudando para se tornar padre – seu nome era Albertino, eu não não lembro seu sobrenome – e as crianças o amavam.

Quando que você percebeu que o número de brasileiros na Ilha estava crescendo?
Foi em 2000. Naquela época, era quase impossível para as pessoas conseguirem visto, e a rota mexicana se tornou muito popular, e todos os dias chegava um grande número de brasileiros – todos de uma vez e do mesmo lugar do Brasil. Eu nem sabia da existência de Cuparaque ou Mantenópolis. Meu ex-marido veio à Ilha antes de mim, e ele mencionou que havia brasileiros na ilha que eram de Cuparaque, e eu disse a ele que tal lugar não existia. Eu disse a ele que os brasileiros estavam zombando dele dizendo que eram de Cuparaque. Minha irmã, que trabalhava no Brasil como advogada federal na época, sugeriu durante uma de nossas visitas ao Brasil que visitássemos a biblioteca pública de Belo Horizonte para investigar se os lugares de onde os brasileiros estavam falando que eram realmente existiam, e assim fizemos e pesquisamos todos os mapas disponíveis na biblioteca para ver onde esses locais estavam localizados. Nos confundiu como esses brasileiros de um lugar tão pequeno, nem mesmo conhecidos pela maioria dos brasileiros, haviam chegado à uma Ilha tão pequena em Massachusetts. Acho que o que acabou acontecendo foi que uma pessoa veio e teve uma boa experiência, e essa pessoa começou a contar aos seus parentes e outras pessoas de sua cidade natal que à Ilha era um bom lugar para as pessoas começarem uma nova vida e ganharem estabilidade financeira.

Quando que você se tornou uma cidadã americana?
Cheguei nos EUA um ano antes de Ronald Reagan ter assinado um projeto abrangente de reforma da imigração, o que viemos a conhecer como anistia. Adquiri o status de residente legal por meio do casamento, mas teria me qualificado para a anistia. Meu ex-marido sempre foi muito receoso com eu me tornar uma cidadã americana, porque achava que eu perderia minha cidadania brasileira, pois é isso que acontece com os cidadãos portugueses. Então, um dia, meu irmão me perguntou por que eu não solicitava a cidadania americana, e como estava confusa e não entendia as regras, liguei para a imigração para pedir informações, e quando percebi que não perderia minha cidadania brasileira, porque o Brasil permite que seus cidadãos tenham mais de uma cidadania, eu iniciei o processo em 2000. Eu lembro de levar meus dois filhos em um avião de Martha’s Vineyard para Rhode Island para fazer minha biometria para a cidadania. John Kennedy Jr. acabara de perder a vida tragicamente em um avião parecido, e meus filhos estavam apreensivos durante toda a viagem. Mas no geral, foi um processo relativamente simples. Uma de minhas clientes tinha doutorado em história americana e me ajudou a estudar para o teste — 262 pessoas fizeram parte da minha cerimônia e que também estavam se naturalizando como cidadãos americanos.

Você se sente mais americana ou brasileira?
Americana. Eu me sinto em casa neste país. Eu me sinto segura de uma maneira que nunca me senti no Brasil. Sempre que eu volto ao Brasil para visitar, fico paranóica, acho que alguém vai me roubar ou algo horrível acontecerá. Além disso, a pobreza te choca. Quando você mora no Brasil, é como se você se tornasse insensível a isso, mas quando você mora em um país onde, enquanto você está disposto a trabalhar, você terá a chance de viver uma vida com dignidade, é de cortar o coração e de também ver que esta não é a realidade em outros lugares. Vou dar um exemplo: neste país, se você é uma faxineira, as pessoas a conhecem e respeitam, e você tem a sua dignidade. No Brasil, pessoas que fazem o mesmo tipo de trabalho que eu faço são consideradas cidadãs de segunda classe, a elite no Brasil vê essas pessoas como servidoras, elas são invisíveis. Eu levo meu carro para os locais de trabalho; no Brasil, as empregadas/diaristas, às vezes, pegam dois ônibus para chegar ao trabalho. Meus clientes americanos são tão generosos comigo, sempre foram. Eles sempre me tratam com respeito. Eu tenho opções de quando eu quero trabalhar, de manhã ou de tarde, e ganhar dinheiro suficiente para pagar minhas obrigações, para viver uma boa vida. É o mesmo trabalho, mas duas realidades muito diferentes.

Você acha que os americanos são mais generosos que os brasileiros?
Absolutamente. Os americanos veem os infortúnios dos outros e ajudam com generosidade. Eles reconhecem e apreciam o que você é e o que você traz para as situações. Eles também vão direto ao ponto, o que pode parecer frio, mas mais frequentemente do que não, você sabe o que esperar de um americano. Os americanos valorizam honestidade, educação, não necessariamente aparências. Acho que digo isso porque no Brasil é tudo sobre as marcas com as quais você se associa, não o que você traz, quais são seus valores, o que é tão vazio.

Como você acha que a comunidade brasileira evoluiu desde 1991?
Muito mais pessoas começaram a vir e de diferentes regiões do Brasil. Quando eu morava em Connecticut e Maryland, conheci muitos brasileiros que eram médicos, engenheiros, advogados, bem como brasileiros que trabalhavam para o Consulado Brasileiro em DC. As origens culturais e educacionais desses brasileiros eram diferentes dos brasileiros que se mudaram pela primeira vez para à Ilha. Os brasileiros na Ilha estavam aqui para correr atrás do sonho americano, e eles eram trabalhadores que davam duro para vencer. Percebi que hoje em dia, os brasileiros que chegam são um monte de gente jovem que não estão recebendo oportunidades no Brasil. Essas pessoas têm diplomas, passaram em testes complicados para adquirir licenças para carreiras que não podem seguir. Eles chegam aqui e querem aprender inglês, assimilar-se na cultura americana, trabalhar duro, estudar, crescer.

Como você se sente sobre o atual cenário de imigração neste país?
É vergonhoso que países da América Central e do Sul não possam cuidar de seus cidadãos. Eu não sinto que é responsabilidade dos EUA lidar com os problemas causados pela corrupção nesses países, mas eu entendo o desejo das pessoas em busca de dignidade, um lugar mais seguro, uma chance de ter uma vida melhor. As pessoas não colocam a vida de seus filhos em perigo se a perspectiva do que está em outro lugar, mesmo que seja um sonho, é uma fração melhor do que a que eles têm em seus países de origem. As pessoas não abandonam suas referências porque estão tentando se tornar um fardo. Elas querem contribuir; elas querem uma chance de existir com dignidade. Nos EUA, temos muito; nós somos tão afortunados, tudo está em um estado abundante – especialmente quando comparado com alguns desses lugares dos quais as pessoas estão fugindo. Sugiro que as pessoas viajem para lugares menos afortunados, para verem com seus próprios olhos o quanto somos sortudos e que, como somos todos iguais, precisamos ajudar uns aos outros. Estamos todos conectados; O que dói em você inevitavelmente me machucará também. Nós devemos ter compaixão um pelo outro. Estamos em uma posição privilegiada de poder ajudar outros seres humanos. Nós só melhoramos como pessoas quando é isso que escolhemos fazer, quando saímos do nosso conforto e estamos dispostos a ver as coisas de uma perspectiva diferente. Deus deu tanto a minha família e a mim, e me sinto pessoalmente responsável por retribuir, contribuir. Só permanecerá uma utopia, essa de todos nós vivermos em um mundo melhor se optarmos por fechar os olhos e não fizermos nada.