Saudade: News from and for the Brazilian community/Notícias de e para a comunidade brasileira

The future of Brazil’s democracy

1
This image is being widely circulated amongst Brazilian citizens opposing Jair Bolsonaro. It means that we will stand up for all of those whose voices are not as loud and powerful, we will be forever holding their hands -iIllustration by zangadas_tatu.

A tradução deste artigo se encontra no final da versão em inglês

Fair warning, this column is utterly personal, and many Brazilian Islanders would not agree with me, and that is OK. We still belong to a democracy, and although I am not optimistic, I believe in checks and balances, and I hope that the candidate that the Brazilian people chose governs for all and brings Brazil to become the kind of country where people don’t feel the desire to abandon it and can thrive emotionally and financially. I hope that the U.S. and Portugal, among other countries chosen by Brazilians to start a new life, start to be the countries in which Brazilian citizens go to study, to visit, and not to start new lives.

When speculations about a possible candidacy of Jair Bolsonaro began to emerge, many people thought he had no chance at all. Does this sound familiar? Many people thought that as soon as people started digging up videos of him commenting on controversial issues, that a potential run for president would inevitably end.

When the name of Jair Bolsonaro was announced as one of the candidates, people began to bring these videos to light. Unlike many people thought, the videos did not change people’s opinions. Realizing that Jair Bolsonaro is sexist, homophobic, and possesses such opinions as well as made problematic speeches made no difference. Either this was something that resonated with people, or they chose to ignore such facts for what they thought made him an ideal candidate, and that he is not corrupt. Even when information began to emerge proving that he is not a politician who always has the good of the people in mind, or of all Brazilian citizens, without distinction of race, creed, or sexual preference, and is in politics for almost 30 years and never did anything for the Brazilian people, or that he had employed someone he should not have — practicing nepotism — or that he had used public money for personal purposes, among other facts, people once again chose to pretend that there was nothing wrong since this is not really corruption.

Even as we approached the date on which the election would be decided, and Jair Bolsonaro and the former general whom he chose to be his vice president made comments considered unnecessary and cruel as well as alarming to democracy, people continued to ignore such facts. When it was discovered that his entire campaign was based on fake news, which was sponsored by big corporations that spent $12 million reais (Brazil’s currency) for the distribution of such fake news on Whatsapp, which is the app most used for communication among Brazilian citizens, people continued to ignore such facts. Even though it was millions used to spread lies, there were still justifications.

Jair Bolsonaro did not want to participate in debates; for the first time in the history of Brazil’s politics, one of the candidates for the presidency refused to engage in a political discussion — a lack of respect for the voters. People need to hear what candidates for any political office have to say, question the candidate about their positions on what the voters consider essential. Yes, Jair Bolsonaro’s excuse was that he could not participate because of medical orders, as during the campaign, Jair Bolsonaro suffered an attack on his life. However, even after being released by his doctors, he continued to refuse to debate, or maintained that he would only debate without being televised, and only with his opponent. Without the opportunity for a presidential debate, voters only have access to the material that the candidate makes available – Nothing is spontaneous or live, and voters cannot see how the candidate would react to questions that were controversial. Even when Brazilian broadcasters contacted Jair Bolsonaro’s team to do interviews, he declined. Jair Bolsonaro only granted interviews to those who supported him and went so far as to say that those who did not support him were wrong, that all that was against him was fake news, that comments made throughout his career in interviews had been taken out of context. Comments such as: “I would be unable to love a homosexual child,” which he said in an interview with Época magazine in 2011; “I would rather have a child of mine die in an accident than show up with another man,” in an interview with Playboy magazine in December 2011; “Women must earn a lower wage because they get pregnant. When she returns [from maternity leave], she will have another month’s vacation, meaning she worked five months out of the year,” in an interview with Zero Hora newspaper in February 2015; “The mistake of the dictatorship was to torture and not kill,” in a radio participation for the Brazilian radio station Jovem Pan in July 2016. These comments are recorded in videos and audios. They are not fake news.

When the voters who supported him said he would be a good president, or that what he said was only for show, the question was always, “What kind of Brazil will he be the president for? For what kind of Brazilian citizens?”

Brazilian citizens, regardless of where they lived in the world and who chose the candidate Fernando Haddad, did not choose him because they would accept any kind of government, they chose Haddad because they knew they could oppose his government because democratic leaders allow criticism. When it comes to politics, voters should not just vote and hope for the best, and as conscious voters who recognize the power and value of their votes, voters must continue to demand that the candidates work for the people and deliver on their promises.

However, what is vital is that such voters continue to have the right to protest and not have their lives threatened by opposing opinions. It was alarming to hear Jair Bolsonaro put the Brazilian democracy, which is already so fragile, in question when he said that if people did not agree with his government, either they would have to adjust or leave Brazil. When there is an election, there is an expectation that voters will vote for the person who is better prepared for the position, especially when it is the presidency. Many newspapers and magazines from around the world that are highly regarded have written about the threat that Jair Bolsonaro poses to Brazilian democracy, including the Brazilian media. Was all of this not a sign that there was a reason for concern?

On Sunday morning, I, Marta Camargo from Family Planning, her sister Laura Weisman, who works as an interpreter for the Tisbury School, and one of my former students, Bhrenda Galdino, whose voter registration was obtained last year through the collaboration between the Martha’s Vineyard Regional High School and the Brazilian Consulate of Boston, got on the first ferry to Boston to vote for the second and last time in the 2018 Brazilian elections. On the way to Boston, Marta and Laura talked about their experiences with Brazil’s dictatorship, militarism, and how their lives were when Brazil became a democracy in 1985. They pondered how Brazil’s democracy remains in a fragile state.

It was such a great experience to be able to vote for my country, even though I am away from home, and to experience democracy at a time when there is a polarization trend across the globe. My responsibility with Brazil doesn’t end because I have chosen to create a life in the U.S. — quite the contrary. I was born into a dictatorship and lived the consequences of it, the inflation, the lack of a stable currency, an impeachment on the first president voted by Brazilian citizens after the dictatorship era (1964-1985), the constant corruption. In essence, the influx of Brazilian immigrants into the U.S. began in the late 1980s when Brazil promulgated its constitution and started the rebuilding process.

On Sunday night, when it became known to the world who the next president for Brazil would be, I started to read what was being written and said in the international media, and reached out to friends who might feel their existence threatened, the Afro-descendants, the LGBTQA+ community, my female friends, as well as friends and family members who voted for Bolsonaro. They shared the videos of the commemorations happening around them, they shared the commemoration of Bolsonaro’s victory in Brazil, in different states, through their eyes. There was much joy, and I cannot deny it. The mood was festive. However, it’s a good picture of what we’re going through. In the midst of the party full of families, death passed as a celebrity. Between Brazilian flags and soccer T-shirts from previous World Cups, shirts with the name of the candidate accompanied by rifles, ammunition, and skulls. Mothers with babies on their lap, children and parents pretending guns in their hands. Strangers pretending to exchange gunshots with each other, with a smile on their faces. What I heard on some Facebook Lives were songs saying that certain types of women have to eat dog food in the bowl and that others do not even know how to wash a pot. This kind of music was coming from cars with several women inside.

I defend everything that the newly elected candidate for the presidency of Brazil attacks. I want to belong and live in a country that governs for all equally — the natives, women, blacks, the LGBTQA+ community. A country where there is no room for torture, dictatorship, homophobia, racism, and xenophobia. I didn’t vote for an oppressor, I voted for a professor who, like me, believes that education is always the answer.

These elections taught me a lot. I learned to dialogue, to argue, to turn votes, and mainly, I learned that politics and moral values go together more than I imagined. We are 45 million Brazilians who didn’t vote for Bolsonaro. We are many, and will always be resistance against hatred and prejudice, and for the separation of church and state. We will continue to defend love, democracy, freedom, and opposition. What a pride to be on this side of history. Our resistance is just beginning.

Portuguese translation – Tradução em português

Esta coluna é escrita pelo meu ponto de vista político, e muitos brasileiros que residem na ilha não concordarão comigo, e eu não vejo nenhum problema com opiniões divergentes. Ainda pertencemos a uma democracia e, embora eu não me sinta otimista, acredito no contrabalanço de influências pelas quais uma organização ou sistema é regulado, tipicamente aqueles que garantem que o poder político não esteja concentrado nas mãos de indivíduos ou grupos e espero que o candidato o qual o povo brasileiro escolheu governe para todos e auxilie o Brasil a ser o tipo de país onde as pessoas não sentem o desejo de abandonar e que os cidadãos brasileiros possam prosperar emocional e financeiramente. Espero que os EUA e Portugal, entre outros países escolhidos pelos brasileiros para começar uma nova vida, passem a ser os países nos quais os cidadãos brasileiros vão para estudar, visitar e não começar novas vidas.
Quando começaram a surgir especulações sobre uma possível candidatura de Jair Bolsonaro, muitas pessoas pensaram que ele não tinha chance alguma. Isso soa familiar? Muitas pessoas pensaram que assim que as pessoas começassem a desenterrar vídeos nos quais, Jair Bolsonaro aparece comentando sobre questões controversas, que uma potencial corrida para presidente inevitavelmente acabaria.

Quando o nome de Jair Bolsonaro foi anunciado como um dos candidatos, as pessoas começaram a disponibilizar para todos que tivessem interesse estes vídeos. Ao contrário do que muitas pessoas pensavam, os vídeos não mudaram a opinião das pessoas. Perceber que Jair Bolsonaro é machista, homofóbico e possui opiniões preocupantes assim como fez discursos problemáticos não fez a menor diferença. Ou isso era algo que ressoava com as pessoas, ou preferiam ignorar tais fatos, pelo que achavam que o tornava um candidato ideal, e que ele não é corrupto. Mesmo quando estas informações começaram a surgir, provando que ele não é um político que sempre tem o bem das pessoas em mente, ou de todos os cidadãos brasileiros, sem distinção de raça, credo ou preferência sexual, e está na política há quase 30 anos e nunca fez nada pelo povo brasileiro, ou que ele empregou alguém que ele não deveria ter – praticando nepotismo – ou que ele usou dinheiro público para fins pessoais, entre outros fatos, as pessoas mais uma vez escolheram fingir que não havia nada de errado, já que isso não é realmente corrupção.

Mesmo quando nos aproximamos da data em que a eleição seria decidida, e Jair Bolsonaro e o ex-general o qual ele escolheu para ser seu vice-presidente fizeram comentários considerados desnecessários e cruéis, além de alarmantes para a democracia, as pessoas continuaram a ignorar tais fatos. Quando foi descoberto que toda a sua campanha se baseava em notícias falsas, patrocinado por grandes corporações que gastaram R$12 milhões de reais ara distribuir notícias falsas no Whatsapp, que é o aplicativo mais usado para comunicação entre cidadãos brasileiros, as pessoas continuaram a ignorar tais fatos. Mesmo sendo milhões usados para espalhar mentiras, ainda havia justificativas.

Jair Bolsonaro não quis participar de debates políticos. Pela primeira vez na história da política do Brasil, um dos candidatos à presidência se recusou a participar de um debate político – uma falta de respeito com os eleitores. As pessoas precisam ouvir o que os candidatos para qualquer cargo político têm a dizer, questionar o candidato sobre suas posições sobre o que os eleitores consideram essencial.

A desculpa de Jair Bolsonaro para que não participasse de qualquer debate político, era que ele não poderia participar por causa de ordens médicas, já que durante a campanha, Jair Bolsonaro sofreu um ataque à sua vida. No entanto, mesmo depois de ser liberado por seus médicos, ele continuou a se recusar a debater, ou sustentou que só debateria sem ser televisionado, e apenas com seu oponente. Sem a oportunidade de um debate presidencial, os eleitores só têm acesso ao material que o candidato disponibiliza –nada é espontâneo ou ao vivo, e os eleitores não conseguem ver como o candidato reagiria a questões controversas. Mesmo quando as emissoras brasileiras contataram a equipe de Jair Bolsonaro para fazer entrevistas, ele recusou. Jair Bolsonaro só concedeu entrevistas àqueles que o apoiaram, e chegou a dizer que aqueles que não o apoiavam estavam errados, que tudo o que estava contra ele eram notícias falsas, que comentários feitos ao longo de sua carreira em entrevistas haviam sido distorcidos, tirados fora de contexto. Comentários como: “Eu seria incapaz de amar um filho homossexual”, que ele disse em entrevista à revista Época em 2011; “Eu preferiria que um filho meu morresse em um acidente do que aparecer com outro homem”, em entrevista à revista Playboy em dezembro de 2011; “As mulheres devem ganhar um salário menor porque engravidam. Quando ela voltar [da licença maternidade], ela terá outro mês de férias, o que significa que trabalhou cinco meses no ano”, em entrevista ao jornal Zero Hora em fevereiro de 2015; “O erro da ditadura foi torturar e não matar”, em uma participação a rádio brasileira Jovem Pan em julho de 2016. Esses comentários estão gravados em vídeos e áudios. Não são notícias falsas. Quando os eleitores que o apoiam dizem que ele será um bom presidente, ou que o que ele diz é apenas para causar alarde, a pergunta sempre é: “Para que tipo de Brasil ele será o presidente? Para que tipo de cidadãos brasileiros?”

Os cidadãos brasileiros, independentemente de onde moram no mundo e que escolheram o candidato Fernando Haddad, não o escolheram porque aceitariam qualquer tipo de governo, escolheram Haddad porque sabiam que poderiam se opor ao seu governo porque líderes democrático permitem críticas. Quando se trata de política, os eleitores não devem apenas votar e esperar o melhor, e como eleitores conscientes que reconhecem o poder e o valor de seus votos, os eleitores devem continuar exigindo que os candidatos trabalhem para o povo e cumpram suas promessas.

No entanto, o que é vital é que tais eleitores continuem a ter o direito de protestar e não ter suas vidas ameaçadas por opiniões opostas. Foi alarmante ouvir Jair Bolsonaro colocar em questão a democracia brasileira, que já é tão frágil, quando disse que se as pessoas não concordassem com seu governo, teriam que se ajustar ou sair do Brasil. Quando há uma eleição, há uma expectativa de que os eleitores votem na pessoa que está melhor preparada para o cargo, especialmente quando for a presidência. Muitos jornais e revistas de todo o mundo que são altamente respeitados escreveram sobre a ameaça que Jair Bolsonaro representa à democracia brasileira, incluindo a mídia brasileira. Tudo isso não era um sinal de que havia motivo para preocupação?

No domingo de manhã, eu, Marta Camargo a qual trabalha no Family Planning, sua irmã Laura Weisman, que trabalha como intérprete para a escola de Tisbury, e uma de minhas ex-alunas, Bhrenda Galdino, cujo título de eleitor foi obtido no ano passado através da colaboração entre a Martha’s Vineyard Regional High School e o Consulado Brasileiro de Boston entraram na primeira balsa para Boston para votar pela segunda e última vez nas eleições brasileiras de 2018. No caminho para Boston, Marta e Laura falaram sobre suas experiências com a ditadura do Brasil, o militarismo e como eram suas vidas quando o Brasil se tornou uma democracia em 1985. Eles ponderaram como a democracia do Brasil permanece em um estado frágil. Foi uma experiência tão gratificante de poder participacar do processo democrático para eleger o próximo presidente do Brasil, mesmo estando longe de casa, e experimentar a democracia em um momento em que há uma tendência de polarização em todo o mundo. Minha responsabilidade com o Brasil não termina porque eu escolhi criar uma vida nos EUA – muito pelo contrário. Eu nasci em uma ditadura e vivi as consequências disso, a inflação, a falta de uma moeda estável, a necessidade de manifestações para um impeachment do primeiro presidente eleito pelo povo brasileiro depois da ditatura (1964-1985) devido a corrupções, a constante corrupção em meu país. Em essência, o afluxo de imigrantes brasileiros para os EUA começou no final dos anos 80, quando o Brasil promulgou sua constituição e iniciou o processo de reconstrução.

Na noite de domingo, quando o mundo soube quem seria o próximo presidente do Brasil, comecei a ler o que estava sendo escrito e dito na mídia internacional e entrei em contato com amigos que poderiam sentir sua existência ameaçada, os Afro- descendentes, a comunidade LGBTQA+, minhas amigas feministas, bem como amigos e familiares que votaram em Bolsonaro. Eles compartilharam os vídeos das comemorações que aconteciam ao seu redor, eles compartilharam a comemoração da vitória de Bolsonaro no Brasil, em diferentes estados, através de seus celurares, assim como suas perspectivas. Meus amigos e familiares compartilharam a comemoração da vitória de Bolsonaro no Brasil, em diferentes estados. Houve muita alegria e não posso negar isso. O clima era festivo. No entanto, é uma boa imagem do que estamos passando. No meio da festa cheia de famílias, a morte passou como uma celebridade. Entre bandeiras brasileiras e camisetas de futebol de Copas do Mundo anteriores, camisas com o nome do candidato acompanhadas de armas, munições e caveiras. Mães com bebês no colo, filhos e pais fazendo de suas mãos armas imaginárias. Estranhos fingindo trocar tiros uns com os outros, com um sorriso no rosto. O que eu ouvi em alguns lives no Facebook foram músicas dizendo que certos tipos de mulheres têm que comer comida de cachorro na tigela e que outras nem sabem como lavar uma panela. Esse tipo de música vinha de carros com várias mulheres dentro.

Eu defendo tudo que o recém-eleito candidato à presidência do Brasil ataca. Eu quero pertencer e viver em um país que governe para todos igualmente – índigenas, mulheres, afrodescendente, a comunidade LGBTQA+. Um país onde não exista espaço para tortura, ditadura, homofobia, racismo e xenofobia. Eu não votei em um opressor, votei em um professor que, assim como eu, acredita que a educação é sempre a resposta. Essas eleições me ensinaram muito. Aprendi a dialogar, a argumentar, a votar e, principalmente, aprendi que a política e os valores morais caminham juntos mais do que eu imaginava. Somos 45 milhões de brasileiros que não votaram em Bolsonaro. Somos muitos e sempre seremos resistência contra o ódio e o preconceito, e pela separação da igreja e do estado. Continuaremos a defender o amor, a democracia, a liberdade e a oposição. Que orgulho estar deste lado da história. Nossa resistência está apenas começando.