Martha’s Vineyard High School soccer standout seeks to achieve success

Senior Jason Lages credits his Brazilian roots, hard training, and his biggest fan, his mom, for his soccer skills.

0
Jason Lages wants to excel in soccer and in life. — Photo by Sam Moore

A tradução deste artigo se encontra no final da versão em inglês

This fall, Martha’s Vineyard Regional High School senior Jason Lages helped lead the Island soccer team to the Division 3 state semifinals. In the process he broke the school record for goals scored in a single season — 35 goals, with 17 assists.

Quiet and modest, Jason, who expects to graduate this spring, would like to move forward with his dreams of a professional soccer career, but he is realistic enough to know that a college education will prepare him for life on and off the athletic field.

In a recent conversation with The Times, part of which was conducted in Portuguese, Jason and his mom, Wanderlânia “Lâninha” Lages, a native of Brazil,  spoke about soccer, their lives in the United States and Brazil, and what the future might hold.

Jason inherited his passion for soccer and his skills from his mother, who played soccer at a time when few Brazilian women played the sport, viewed as a sport for men, especially in her small hometown.

“I was born with the gift of knowing how to play soccer,” Ms. Lages said. “My father wasn’t aware of my desire to play nor my talent, and I had to hide it from him when I played. I always wanted to have a son who would become a great soccer player, and when I was pregnant with Jason, I could sense that he would be one.”

Wanderlânia and her husband Almir moved to Martha’s Vineyard in the late ’80s to take advantage of work opportunities on the Island, where Jason was born. By the time he was 2 years old, he was kicking a ball under the watchful eye of his mother.

He and his mother, returned to Brazil when he was eight-years-old because she wanted him to learn to read and write in Portuguese. Following a stay of one year, they returned to the Island.

They returned to Brazil again when he was 14, to be with family and purchase a home. That stay provided Jason with an opportunity to play for the soccer club Clube Atlético Bragantino, in Bragança Paulista, a small town in the state of São Paulo.

“Even though I knew how to play before I began training, playing for this team, I got better,” Jason said. “The training was very intense and rigid.”

Fifty boys tried out for the team. Ultimately only 18 made the cut, including Jason. “There were days that we didn’t even touch the ball; it was just physical exercise,” he said.

Mother and son also received an introduction to the hard reality of the Brazilian sports machine, where money can be used to secure a spot on a club roster, even for talented players.

“In Brazil, if you come from poverty, being a talented soccer player can be one of the ways in which these boys can break the cycle of poverty,” said Lâninha. “The sad reality is that some businessmen who know how much money is generated from soccer will take advantage of these boys and their families.”

When Jason was playing for the team in São Paulo, a businessman offered to secure Jason a position at a recognized professional Brazilian team for a sum of money. “I declined, as I know and I will always bet on my son’s talent, and fortunately, although it is his dream, that is not his only opportunity in life,” Lâninha said.

Laninha said money has affected and corrupted Brazilian soccer programs.

“Nonetheless,” Jason said, “I love soccer, and I will always support Brazil, because watching them play was what made me fall in love with the game, and without that love I would not know who I would be today.”

Like many Brazilians, Jason has “o time do meu coração,” a favorite team. Jason’s soccer team is Santos, a football club from São Paulo. His idols are the Brazilian soccer players Robinho and Ronaldinho Gaúcho, who, he said, “play with their hearts,” and have played as part of the Brazilian team in World Cup competition.

At 15, Jason moved with his mother to Florida, where a trainer from Brazil introduced him to a trainer for Florida’s Navarre United Futbol Club. If he had remained in Brazil, Jason would have faced a choice about whether to be a soccer player or attend school. Home in the United States, he said, he can do both.

Jason’s father, Almir Lages, was always a source of support and encouragement. In Jason’s sophomore year, he was playing in a tournament with the Gulf Coast Texans when his father died of a heart attack on Martha’s Vineyard. Jason and his mother returned to the Island.

“My life on the Island has been very good,” Jason said. “I love it here; it’s the place that I feel at home and a place where I feel welcome. I’ve had a lot of support from various people because of soccer. It’s always good to hear someone say they love watching you play or that they’re going to miss watching you.”

Throughout his high school playing career, Ms. Lages could usually be seen shouting advice from the sidelines. She recalled one time when a referee wanted to remove her from the soccer field.

“It was a summer game in Vineyard Haven, and the referee told me that if I didn’t contain my excitement, I would be asked to leave,” Ms. Lages said. “But now everyone has gotten used to how passionate I get at the games.”

Jason also found he did not have to leave the Island to find good coaches. He said MVRHS soccer Coach Esteban Aranzabe “brought out the best in me and guided me through everything, even through the college process.”

“My most unforgettable memory is when we won the semifinals last year,” Jason said. “We had lost to Medway the previous year, and we were undefeated for 18 games and then lost to them, and were out of the tournament. The next year they had been undefeated, and then we won.”

Coach Esteban Aranzabe has equally high regard for his player. “I’ve coached Jason since he was 9 years old,” Coach Aranzabe said. “I wish him the best. I love him like my son.”

Jason said that no matter what the future holds, his heart will have a special place for Martha’s Vineyard.

“I’ve made lifelong friendships and learned a lot from living here, and that to be successful depends only on you,” he said. “In five years, I see myself with my degree in something that is still unknown, with great achievements in not only my collegiate soccer career but also with academics. I’ve recently committed to Assumption College, and I hope to leave my mark there and represent the Island to the best of my ability.”

Portuguese translation – Tradução em português

Aluno e jogador de futebol da Martha’s Vineyard High School almeja o sucesso

Jason Lages atribui às suas raízes brasileiras, e sua maior fã, sua mãe, por sua habilidade no futebol.

Neste outono, Jason Lages, que está no seu último ano na High School, auxiliou o time de futebol da escola a chegar na terceira divisão das semifinais do estado. No processo, ele quebrou recorde de gols em apenas uma temporada – 35 gols, além 17 assistências.

Sereno e modesto, Jason, que irá graduar-se nesta primavera americana, pretende continuar a batalhar pelo seu sonho de ser um jogador de futebol profissional, mas é realista e sabe que ir para a faculdade é importante, pois esta experiência irá prepara-ló para uma vida dentro e fora dos campos.

Em uma recente conversa com o Martha’s Vineyard Times, parte conduzida em português, Jason e sua mãe, Wanderlânia “Lâninha” Lages, conversaram sobre futebol nos Estados Unidos e no Brasil, e o que o futuro reserva.

Jason herdou sua paixão pelo futebol, assim como seu talento, de sua mãe, que jogou futebol em uma época no Brasil onde poucas mulheres praticavam o esporte, já que era visto como um esporte reservado apenas para homens, especialmente em sua cidade de origem.

“Eu nasci sabendo jogar futebol” disse Lâninha  “O meu pai não sabia da minha vontade de jogar e nem do meu talento, e eu tive até que esconder dele que eu jogava. Eu sempre quis ter um filho que se tornaria um grande jogador de futebol, e, quando eu estava grávida do Jason, eu podia sentir que seria ele.”

Wanderlânia e seu esposo Almir mudaram para Martha’s Vineyard no final dos anos 80 atrás de melhores oportunidades de vida e trabalho na ilha, onde Jason nasceu. Quando ele tinha dois anos, ele já praticava futebol sob supervisão de sua mãe.

Jason e sua mão retornaram ao Brasil quando ele tinha oito anos porque ela queria que ele aprende-se a ler e escrever em português. Após um ano, eles retornaram à ilha.

Eles retornaram para o Brasil quando Jason tinha 14 anos, para ficarem próximos à sua família e comprarem uma casa. A estadia no Brasil proveu a Jason a oportunidade de jogar futebol para o clube Atlético Bragantino, em Bragança Paulista, uma cidade pequena no interior de São Paulo.

“Mesmo já sabendo como jogar futebol antes mesmo de começar a treinar e jogar para este time, eu melhorei” disse Jason. “O treinamento foi intenso e rígido.”

Cinquenta meninos tentavam uma vaga para o time. No final apenas dezoito meninos ficaram, incluindo Jason. “Teve dias que nem tocavam na bola; era apenas exercício fisico,” disse Jason.

Mãe e filho também receberam uma dura introdução à realidade brasileira, quando se trata da máquina de futebol no Brasil, onde dinheiro pode ser usado para garantir uma vaga em um time profissional até mesmo para jogadores talentosos.

“No Brasil, se você vem de uma família humilde, ser um jogador de futebol talentoso pode ser uma das maneiras das quais estes meninos podem quebrar o ciclo da pobreza” disse Lâninha. “É uma realidade muito triste, o quanto de dinheiro é gerado através de futebol e como empresários tentam levar vantagem neste meninos e suas famílias.”

Quando Jason estava jogando para o time em São Paulo, um empresário ofereceu a Lâninha uma vaga a Jason em um time de futebol professional por uma soma alta de dinheiro. “Eu recusei, porque sei do talento do meu filho, e felizmente, apesar de ser o sonho dele, esta não é a única oportunidade que ele tem na vida,” disse Lâninha.

Lâninha disse que dinheiro tem afetado e corrompido o futebol no Brasil. “De qualquer forma,” disse Jason, “Eu amo futebol, eu sempre apoiarei o Brasil, porque assistir aos jogadores brasileiros foi o que me fez se apaixonar pelo esporte, e sem este amor eu não sei onde estaria hoje.”

Assim como muitos brasileiros, Jason tem o time do seu coração, o Santos, um time de futebol de São Paulo. Seus ídolos são os jogadores brasileiros Robinho e Ronaldinho Gaúcho, quem, ele disse, “jogam com o coração”, e fizeram parte da seleção brasileira em copas do mundo.

Com 15 anos, Jason mudou com sua mãe para a Flórida. Um treinador do Brasil os apresentou a um treinador de um time na Flórida, o Navarre United Futbol Club. Se ele tivesse continuado a morar no Brasil, ele teria que eventualmente fazer a decisão de ou seguir carreira de futebol ou ir para a faculdade. Nos Estados Unidos, onde nasceu, ele pode fazer os dois.

O pai de Jason, Almir Lages, sempre foi uma fonte de coragem e suporte. Quando Jason cursava o segundo ano do ensino médio, ele estava jogando um torneio com o Gulf Coast Texans quando seu pai faleceu. Almir teve um ataque cardíaco em Martha’s Vineyard. Jason e sua mãe retornaram  à ilha.

“A minha vida tem sido muito boa na ilha”, disse Jason. “Eu amo aqui; é o lugar o que eu me sinto em casa e um lugar no qual eu me sinto bem-vindo. Eu sempre tive muito suporte de diversas pessoas por causa do futebol. É sempre muito bom escutar alguém dizer que ama ver você jogar e que irá sentir falta de assisti-ló”.

Durante a carreira de Jason no time de futebol da high school da ilha, Lâninha podia ser vista gritando conselhos. Ela inclusive lembra uma vez na qual um juiz queria removê-la do campo.

“Foi um jogo durante um verão em Vineyard Haven, e o juiz me avisou que se eu não conte-se a minha excitação, ele iria pedir que eu me retirasse,” disse Lâninha. “Mas agora todo mundo me conhece e sabe como eu sou nos jogos.”

Jason não teve que sair da ilha para encontrar um bom treinador. Ele disse que o treinador da MVRHS, Esteban Aranzabe, “trouxe o melhor em mim e me guiou em tudo, inclusive no processo de escolher uma faculdade.”

“Um momento inesquecível foi quando nós ganhamos a semifinal no ano passado,” disse Jason. “Nós tinhamos perdido para o time de Medway no ano anterior, e até então so tínhamos ganhado e daí perdemos para eles e saímos do torneio. No próximo ano, eles estavam invictos, e fomos nós que ganhamos.”

O treinador Esteban Aranzabe sente por Jason o mesmo carinho. “Eu treinei Jason desde que ele tinha nove anos,” disse Esteban. “Eu desejo a ele o melhor, eu sempre o amei como um filho.”

Em Martha’s Vineyard, eu fiz amigos para a vida inteira e aprendi muito morando aqui, principalmente que para você obter sucesso depende de você,” disse Jason. “Em cinco anos, eu me vejo com um diploma em algo ainda indeterminado, mas com grande sucesso não só na minha carreira como jogador de futebol mas também na minha carreira acadêmica. Eu recentemente me comprometi com a faculdade Assumption, e eu espero poder deixar minha marca na faculdade, assim como representar à ilha da melhor maneira possível.