Islanders rule at Martha’s Vineyard TV/Residentes da ilha comandam a TV Local

The homegrown cable station provides access to state-of-the-art technology and personal instruction for a nominal fee.

Michelle Vivian, access coordinator and instructor, and MVTV executive director Stephen Warriner stand in one of the studios. — Photo by Michael Cummo

The new sinks are installed, most of the cabinets are hung, and the Wolf cooktop, Viking double oven, and Frigidaire refrigerator sit gleaming and untouched. It could pass for a restaurant kitchen, except for the stanchions above that will support the lighting and the cameras that will record the new cooking shows on Martha’s Vineyard Community Television (MVTV).
And who will host the new shows?

“Anybody who wants to,” Stephen Warriner, executive director of MVTV, said in a recent interview, stepping over a stack of two-by-fours. “We want people with a passion for cooking. Not just professional chefs.”

This is the ethos at MVTV — television for Islanders, about Islanders, and cooked up by Islanders, broadcast 24 hours a day, seven days a week.

“We produced about 650 shows last year, including sports,” Mr. Warriner said. “We shoot about 800 hours of government [meetings] each year.”

MVTV broadcasts over three channels — Channel 13 is public access, where private citizens and organizations can broadcast almost any content they want; Channel 14 is education and high school sports; and Channel 15 is gavel-to-gavel coverage of local government meetings.

For a $25 annual membership fee, any Islander can access the $1.3 million studio and the guidance of a full-time staff to create a show for the public access channel. Membership is free for Island students and teachers.

“If you don’t have the 25 bucks, I’ll waive the fee,” Mr. Warriner said. “I don’t want it to be an obstruction to bringing people in. If you have an idea for a program that’s a half-hour or less, we will engineer the whole thing for you, as long as it’s not slanderous or pornographic.”

Currently, the most popular programs on Channel 13 are Bodhi Path and church services. The Banana Connection, a show devoted to the Brazilian audience, is also very popular.

“One of our most popular shows was The Water People,” Mr. Warriner said, grinning. “It was two really old hippies. The guy had a long beard and the woman was wearing a robe and no underwear, and they’d sit on a famous spring in Canada and talk, and for some reason it really resonated with our audience.”

In the studio control room, director of operations Carl Holt sits at a sleek console with a large high-definition monitor that displays four different camera feeds from the talk show being filmed on the stage next door. Mr. Holt is showing a student how to work the “switcher,” which, as the name implies, switches the point of view between four cameras. The talk show host can also control the cameras during the show with the click of an iPad. The green-screen wall behind the host and her two guests projects an idyllic up-Island summer scene in vivid detail. Green-screen technology unleashes myriad creative possibilities, and even has 3D capability. “You can be chasing the monster or you can be running away from a much bigger monster; it’s up to your imagination,” Mr. Warriner said. “The kids love it when we make them fly like Superman.”

Humble beginnings

Comcast, and before it, Adelphia, operates on Martha’s Vineyard under the terms of a franchise agreement signed with the six Island towns. Cable companies are required by law to provide PEG (public, education, and government) access.

Before MVTV began broadcasting in 2003, Adelphia’s Channel 8 was the Vineyard’s only public access channel, broadcasting an unrelenting parade of paid classified advertising interspersed with occasional local shows, mostly sports, produced under less than favorable conditions.

A group of Vineyarders who understood the potential in PEG access created MVTV. Adelphia was happy to pass on the responsibility.
“When we started we had to do a lot of improvising, building things for pennies on the dollar,” Mr. Warriner said. “Charlie Burnham and I built a $30,000 server for $3,000. When Adelphia was here, they pretty much did the minimum — basically one camera and a tape deck. When Comcast took over, they were happy that a group took over so it was off their hands. They’ve been great to work with.”

In July 2013, almost 10 years to the day after it began broadcasting out of its cramped studio at the high school, MVTV began broadcasting from a new 4,000-square-foot facility on Edgartown–Vineyard Haven Road. Except for a year-and-a-half break, Mr. Warriner has been at the helm the entire time.

Per the most recent 10-year deal between MVTV and Comcast, the operating budget is financed by 5 percent of the annual revenue from Island cable subscriptions and some advertising revenue. In addition to paying for operating costs, the $450,000 budget covers four full-time salaries and freelance videographers.

Government oversight
There are more than 2,500 video on demand (VOD) programs available on the MVTV web site. So far in 2015, the web site averages a little over 1,300 VOD views a month. While there’s no breakdown of what people are viewing, Mr. Warriner is confident that the vast majority are government meetings.

“Our freelance videographers cover government meetings, gavel to gavel,” Mr. Warriner said. “Some meetings are 20 minutes, and some are 3½ hours,” he said, adding that the longer meetings are usually the domain of the Martha’s Vineyard Commission (MVC).

“In the early days there were a lot of flubs, cameras rolling after the gavel, things that got aired,” he said. “Sometimes before the gavel went down, you’d hear some things said that should have stayed behind the scenes.”

Mr. Warriner said MVTV will also broadcast video of government meetings that are filmed by citizen videographers, “but if there’s a close-up of a public official picking his nose, we won’t air it, because we control this channel. That said, they could air it on Channel 13, public access. The person could be sued for slander, but that’s not our problem,” he said, laughing.

The contract people sign with MVTV that allows the station to broadcast their shows also states that the producer is legally liable for the content.
“There have only been a few minor disputes which were easily resolved,” Mr. Warriner said, knocking on wood.

Per its mandate to serve the public, MVTV goes to great lengths to accommodate its members. “Chilmark wanted us to cover the meetings about the [Squibnocket] parking lot,” Mr. Warriner said. “That’s not part of our gig, so I bought them an iPad and I put it on a mike stand and got a piece of software that we can use. It automatically goes final transfer protocol [FTP] to a cloud that we have, and we download it, tweak the audio, and put it on.”

Government meetings are the only events covered by MVTV staff. “We tried to do community coverage, but we got calls the day before the event, and people wanted to direct, and it got to be so unruly that we had to stop,” Mr. Warriner said. “But if a member wants to use our cameras to shoot a meeting, we’re all for it. If someone wants to teach a class, we’ll give them all the equipment they need. You bring the idea, we help make it happen.”

“We have nine cameras, recording systems, computers for editing; we got you covered,” Michelle Vivian, instructor and MVTV access coordinator, said. “If someone wants to take a camera on location and film, they have to take the camera class. If they want to take a laptop home in order to edit, they have to take the editing class. With Final Cut Pro they’re editing their own footage in a few days.”

MVTV also has a mobile production trailer for remote shooting. “We use it at the film festival and things of that nature,” Mr. Warriner said. “We used to camp out at the Ag Fair and do ‘man on the street interviews,’ and cover the tractor pulls, woodsman contests, the skillet toss, all that fun stuff, but fair officials thought the broadcast might cut into the live audience, so we don’t do it anymore, which is too bad. Kids loved checking out the trailer.”

“We train members to use the production trailer so they can do it themselves, just like we do with all of our equipment,” Ms. Vivian said. “If Battle in the Bluffs wants me to bring the trailer, I’ll train their people and they’ll do the production, and I’d be there to help if they need me.” Although MVTV doesn’t presently cover Martha’s Vineyard Sharks baseball games, Ms. Vivian said if an aspiring sportscaster asks to broadcast the Sharks games with MVTV equipment, and he or she presents a sound plan, the production trailer will be available, provided the Sharks sign off on the idea.

A classy outfit

Ms. Vivian teaches a full slate of classes at the MVTV studio. She also mentors people one-on-one. “If someone says ‘I have a comedy show and I really want to do in the studio,’ I’ll say ‘OK, take the orientation, take the introduction to studio class, and then maybe a writing class,” she said. “I try to get people to focus on the story and not to get too caught up in the technical stuff. These are just tools to help tell your story.”

Ms. Vivian also goes into the Island schools to teach the students, and to teach the teachers how to teach the students. “I take every class I teach here on the road with me,” she said. “Chilmark School wanted the kids to do a documentary about the colonization of America. I went there once a week for five weeks. I taught them how to write it, how to shoot it, and helped them make costumes. We even got into copyright issues. I tell them, ‘Just because it’s on Google doesn’t mean you can have it.’ I’m also a musician, so I can teach them to write their own theme song.” Ms. Vivian said she’s taught in every Island school except the Oak Bluffs School.

“High school classes come over here, I show them these awesome cameras, and I show how to use them,” she said. “I teach them how to switch, how to be onstage, how to be a floor director, how to work the teleprompter, how to direct. Everybody likes to direct,” she said laughing.

Ms. Vivian said internships are available at MVTV this summer. “They’re project-based, so they learn all that goes into making a show,” she said. “They also learn some real-world skills — how you answer the phone, how you make a copy, and how you talk to people appropriately in a professional environment.”
“Most of the people that come through here have a good experience,” Mr. Warriner said. “A lot of people don’t realize how much work is involved. The basic rule of thumb is one hour of work time for every minute of screen time for a television show. That involves more obscure things like color correcting, but if they’re interested we’ll show them how. We just want to help Islanders to get their message out.”

For more information on MVTV, go to mvtv.org.

Portuguese Translation – Tradução em Português
Residentes de Martha’s Vineyard Comandam TV Local
Por Juliana Da Silva

As novas pias estão instaladas, a maior parte dos gabinetes estão pendurados e tanto o fogão como a geladeira permanecem intocáveis. Aparentemente parece ser uma cozinha de um restaurante, com a exceção do equipamento instalado que irá filmar o novo show de culinária da televisão comunitária de Marthas Vineyard. E quem irá apresentar o show?

Em uma entrevista recente, Stephen Warrener, diretor executivo da Marthas Vineyard TV, disse que a oportunidade de apresentar o show estará aberta para qualquer pessoa que queira fazer parte do programa. “Nós queremos pessoas com paixão por cozinhar, não apenas chefes profissionais. Está é a intenção do canal, televisão para os residentes da ilha, sobre os residentes da ilha, e com um programa de culinária liderado por moradores da ilha, exibido 24 horas por dia, sete dias da semana.”

“Nós produzimos por volta de 650 shows no ano passado, incluindo esportes”, disse Warriner. “Nós gravamos por volta de 800 horas de reuniões do governo a cada ano”.

MVTV é exibido através de três canais – o canal 13 é aberto ao público, onde cidadãos privados e organizações podem exibir quase qualquer conteúdo que queiram, o canal 14 é voltado a educação e esportes da escola de ensino médio (high school) e o canal 15 exibe reuniões do governo local.

O valor para que qualquer residente da ilha se torne membro da MVTV é de $25 e sócios têm acesso ao estúdio – avaliado em $1.3 milhões – e também instruções e assistência de pessoas que trabalham para MVTV e que ajudarão os membros a criarem programas a serem exibidos para o público. Estudantes e professores da ilha não pagam para terem acesso a emissora ou pela assistência que possam precisar. “Caso alguém não possa pagar os $25, eu não irei impedir que este indivíduo tenha acesso ao estúdio. Eu não quero que o valor seja uma obstrução para atrair as pessoas. Se alguém tiver uma ideia para um programa, que seja meia hora ou menos, nós da MVTV iremos ajudar estas pessoas a produzir a ideia, com tanto que não seja pornografia ou algo falso, malicioso ou de má fé.”

No momento, os programa mais populares no canal 13 são Bodhi Path e serviços de igrejas. A conexão da banana, The Banana Connection, um show direcionado para a audiência brasileira também é muito popular.

“Um dos shows mais populares foi The Water People”, diz Warriner com um largo sorriso. “Dois velhos hippies. O homem tinha uma barba longa e a mulher vestia somente um robe, e eles sentavam em uma rocha no Canada, e por alguma razão a audiência realmente os escutava.”

Na sala de controle do estúdio, o diretor de operações Carl Holt senta a um console moderno com um grande monitor de alta definição que exibe informações de quatro câmeras diferentes do talk show que está sendo filmado no palco vizinho. O Sr. Holt está mostrando a um estudante como usar o “comutador”, o qual, como o nome sugere, comuta o ponto de vista entre as quatro câmeras. A apresentadora do talk show pode também controlar as câmeras durante o programa com o clique de um iPad. A parede de tela verde, atrás da apresentadora e seus dois convidados, projeta uma idílica cena de verão com detalhes vívidos. A tecnologia da tela verde desencadeia uma miríade de possibilidades criativas e até possui capacidades 3D. “Você pode estar perseguindo o monstro ou você pode estar fugindo de um monstro bem maior; fica por conta da sua imaginação”, disse o Sr. Warriner. “As crianças amam quando nós as fazemos voar como o Super-Homem.”
Um começo humilde

A Comcast – e, antes da Comcast, a Adelphia – opera em Marthas Vineyard sobre o termo de contrato assinado com as seis cidades da ilha. As companhias de TV a cabo são obrigadas por lei a prover um acesso PEG (público, educativo e governamental).

Antes da MVTV começar a transmitir em 2003, o canal 8 da Adelphia’s era o único canal público da ilha exibindo diversos comerciais interceptados por um show occasional, na sua maioria esportes produzidos de uma maneira não muito propícia.

Um grupo de moradores da ilha que compreendia o potential do acesso PEG criou a MVTV. A Adelphia ficou mais do que feliz em passar adiante a responsabilidade. “Quando nós começamos, nós tivemos que fazer bastante improviso”, disse Charlie Burnham. “Quando a Adelphia estava aqui, eles fizeram o mínimo possível – basicamente uma câmera e um aparelho de gravação. Quando a Comcast passou a ser a operadora, a satisfação deles foi grande em ver que já tomávamos conta do PEG. Eles têm sido ótimos parceiros.”
Em Julho de 2013, quase 10 anos após o dia em que começou a transmitir para fora do seu estúdio apertado na escola, a MVTV começou a transmitir de uma instalação de 4000 pés quadrados (371 m2) em Edgartown–Vineyard Haven Road. Com exceção da pausa de um ano e meio, Warriner tem estado no comando o tempo todo. Pelo mais recente contrato de 10 anos entre a MVTV e a Comcast, o orçamento operacional é financiado por 5% da receita anual das assinaturas a cabo da Ilha e por algumas receitas de publicidade. Além de pagar o custo operacional, o orçamento de U$ 450.000,00 cobre o salário de 4 cinegrafistas de tempo integral e freelance.

A supervisão do governo

Há mais de 2.500 programas de vídeos sob demanda (VOD) disponíveis no site da MVTV. Até 2015, o site teve uma média de um pouco mais de 1.300 visualizações de VOD por mês. Enquanto não há interrupção no que as pessoas estão vendo, Warriner está confiante de que a vasta maioria são reuniões governamentais.

“Nossos cinegrafistas freelances cobrem as reuniões governamentais de fio a pavio”, disse o Warriner. “Algumas reuniões são de 20 minutos, e outras são de 3 horas e meia”, ele disse, acrescentando que as reuniões mais longas são geralmente no domínio de Martha’s Vineyard Commission (MVC).

“Nos primeiros dias houve uma grande quantidade de erros, câmeras rodando depois do corte, coisas que foram transmitidas”, disse ele. “Às vezes, antes de a transmissão cortar, você ouvia algumas coisas que não deveriam ter saído dos bastidores.”

Warriner disse que MVTV também vai transmitir vídeo de reuniões do governo que são filmados por videomakers cidadãos, “mas, se há um close-up de um funcionário público cutucando o nariz, não irá ao ar, porque nós controlamos este canal. Dito isto, eles podem exibi-lo no Canal 13, de acesso público. A pessoa pode ser processada por calúnia, mas isso não é problema nosso”, disse ele, rindo.

As pessoas contratadas, ao assinar com a MVTV, concordam que a estação a transmitir seus shows também estabeleça que o produtor seja legalmente responsável pelo conteúdo.

“Houve apenas alguns pequenos conflitos que foram facilmente resolvidos”, disse Warriner, batendo na madeira.

Por seu dever de servir ao público, a MVTV percorre grandes distâncias para atender seus membros. “Chilmark quis que cobríssemos as reuniões sobre o estacionamento Squibnocket”, disse o Sr. Warriner. “Isso não faz parte do nosso show, então eu comprei um iPad, coloquei-o em um pedestal do microfone e consegui uma parte de um software que podemos utilizar. Ele é transmitido automaticamente via FTP para um servidor na nuvem, daí nós baixamos, ajustamos o áudio e divulgamos.”

Reuniões do governo são os únicos eventos cobertos pela equipe MVTV.

“Nós tentamos fazer a cobertura da comunidade, mas recebíamos chamadas na véspera dos eventos, e as pessoas queriam dirigir, e isso findava tão impraticável que tivemos de parar”, disse Warriner. “Mas, se um membro quiser usar nossas câmeras para filmar uma reunião, estamos à disposição. Se alguém quiser dar uma aula, nós vamos disponibilizar todo o equipamento de que necessitam. Você traz a idéia, nós ajudamos torná-la real.”

“Temos nove câmeras, sistemas de gração, computadores para edição; nós temos a sua estrutura”, disse Michelle Vivian, instrutora e coordenadora de acesso da MVTV. “Se alguém quer uma câmera na locação para filmar, precisa ter aulas sobre uso da câmera. Se quer levar um laptop para casa a fim de editar, precisa ter aulas de edição. Com o Final Cut Pro, eles editam seu próprio filme em poucos dias.”

A MVTV também tem um trailer móvel para a produção de vídeos remotos. “Vamos utilizá-lo no festival de cinema e coisas do tipo”, disse Warriner. “Nós costumávamos acampar na Feira Ag e fazer ‘enquetes de rua’, e cobrir as disputas entre tratores, competições de lenhadores, sorteios de frigideira, toda essa diversão, mas as autoridades acharam que a transmissão podia reduzir o público ao vivo, de modo que não fazemos mais isso, o que é muito ruim. As crianças adoravam conferir o trailer.”
“Treinamos os membros a usar o trailer de produção para que eles possam trabalhar sozinhos, assim como fazemos com todos os nossos equipamentos”, disse Vivian. “Se Batalha na Bluffs quer que eu leve o trailer, eu vou treinar seu pessoal e eles farão a produção, mas eu estarei lá para ajudar se precisarem de mim.” Embora a MVTV atualmente não cubra os jogos de beisebol do Martha’s Vineyard Sharks, Vivian disse que, se um jovem repórter esportivo pedir para transmitir os jogos dos Sharks com equipamentos da MVTV, e ele ou ela apresentar um projeto sonoro, o trailer de produção estará disponivel, desde que os Sharks autorizem a idéia.

Uma roupa elegante

Vivian leciona todo um leque de aulas no estúdio MVTV. Ela também dá aulas particulares. “Se alguém diz ‘Eu tenho um show de comédia e eu realmente quero fazer no estúdio’, eu vou dizer ‘OK, veja o tutorial, tenha a aula inaugural sobre o estúdio, e talvez uma aula de redação”, disse ela. “Eu tento levar as pessoas a concentrar-se na história e não ficar muito preso a detalhes técnicos. Estes são apenas ferramentas para ajudar a contar a sua história.”
Vivian também vai às escolas da ilha ensinar aos alunos, e ensinar aos professores como ensinar aos alunos. “Eu tenho todas as matérias que ensino aqui na estrada comigo”, disse ela. “A escola Chilmark queria que as crianças fizessem um documentário sobre a colonização da América. Eu fui lá uma vez por semana durante cinco semanas. Ensinei-lhes a escrevê-lo, como capturá-lo, e os ajudei a bolar figurinos. Nós também entramos nas questões de direitos autorais. Eu digo a eles, ‘Só porque está no Google não significa que é seu.’ Eu também sou uma musicista, por isso posso ensiná-los a escrever sua própria canção ou  tema.” Vivian disse que ela ensina em todas as escolas da ilha, exceto a Escola de Bluffs Oak.

“Turmas do ensino médio vêm aqui, eu mostro a elas essas câmeras incríveis, e eu mostro como usá-las”, disse ela. “Eu ensino como configurar, como se portar no palco, como ser um diretor de cena, como ajustar o teleprompter, como dirigir. Todo mundo gosta de dirigir”, disse ela rindo.

Vivian disse que estágios estarão disponíveis na MVTV neste verão. “Eles são baseada em projetos, para que eles aprendam tudo enquanto produzem um show”, disse ela. “Eles também aprendem algumas habilidades do mundo real – como atender telefonemas, como fazer uma cópia, e como lidar com as pessoas de forma adequada em um ambiente profissional.”

“A maioria das pessoas que passam por aqui têm uma boa experiência”, disse Warriner. “Um monte de pessoas não percebem o tanto de trabalho envolvido. A regra básica é uma hora de trabalho para cada minuto na tela de um programa de TV. Isso envolve coisas mais obscuras, como correção de cor, mas se eles estão interessados, vamos mostrar-lhes como se faz. Nós apenas queremos ajudar a população local a mandar o seu recado para além da ilha.”

Para mais informações sobre MVTV, visite mvtv.org.