Saudade: News from and for the Brazilian community/Notícias de e para a comunidade brasileira

Brazilian Faces: Aloísio Vargas

Aloísio Vargas singing at the church he attends, First Baptist Church in Vineyard Haven. — Courtesy Aloísio Vargas

A tradução deste artigo se encontra no final da versão em inglês

The first Brazilian Face of this year is Aloísio Vargas. He is a talented singer and an active member of his church, among many other roles he has in the community. We talked about growing up and maturing in foreign lands, his biggest dream in life, and the importance of learning English.

How old were you when you arrived on the Island? Did you dream of living in the U.S.?
I was 17. I think everyone who is in Brazil and dreams of moving to the U.S. has this vision of coming to a developed Brazil, and an example would be Florida and California. When I arrived here, that was not what I found. I thought the Island was ugly at first. Again, my impression was based on the movies I had watched growing up. It is the same thing with Brazil, but inverted — the films tend to portray a gruesome and violent side; the film “City of God” is an example. However, Brazil is a beautiful country, but a lot of people have never even heard of places such as Campos do Jordão, Fernando de Noronha, or even the historic little towns like Ouro Preto — these are all places anyone interested in Brazil should research. The media loves to portray Brazil in not such a favorable light, unlike the U.S., where just the beautiful is highlighted. “Home Alone” is an example — Christmas in New York. But when I arrived, that’s not what I saw, but human beings are very adaptable, and I am one of those people that when I get to a place, I strive to become part of it, and I never lived anywhere else but the Island. I live here, and I spend my money here, I am for and with the community. I think that’s how you have to approach a place you choose to call home.

What were your biggest challenges at first?
The language. I am actively still learning English, and I always liked to listen to songs in English, even when I didn’t understand anything — my favorite singers were Michael Jackson, Celine Dion, Whitney Houston, Mariah Carey, and Stevie Wonder. But when I first arrived, I didn’t even know how to say “Bye.” I lived in the country in Brazil, and the access to the Internet and other ways in which I could have learned English was very restricted.

What were your first jobs?
I had never worked in my life. My first job was at Bizzarro, a trash company. I learned about the importance of paying attention to how we separated trash, and how important it is to re-educate yourself in this matter, as it has never mattered so much for our planet. Then I went into landscaping, which was an occupation that reminded me of Brazil, being outside in nature. Then I got tired of working in the sun and then freezing in the winter. I respect people who decide to do this job, but I wanted something different. Then I started to work at Lamplighter Corner. I worked there for years. That was when I had to learn English because it was the owner and me. Then business slowed down, and I had to look for a job that would provide a steady pay all year long, and that was when I stumbled upon Cronig’s. I say stumbled because I was walking near the Vineyard Haven location, and saw someone sweeping the parking lot. In my mind, at that time, the person who was sweeping was too old for that kind of manual work — in Brazil, such a job would be designated to a younger person. I even felt sorry for the man who I considered too old for that job, and because I was looking for work, I approached the man and asked if they were hiring. I approached the situation with a Brazilian vision, and if an older man was sweeping the parking lot, it meant they didn’t have enough people working there. I didn’t approach the situation with American eyes. The man in question was Stephan Bernier, whom we endearingly called Mr. B, which I didn’t know at the time, but he informed me that the reason why he was sweeping was that he enjoyed doing that task and that he was the owner. He then invited me to come back in the afternoon to talk. He gave me an opportunity. It’s been 11 years since I started to work at Cronig’s.

Do you have funny stories about celebrities who have shopped at Cronig’s?
Yes. The one that impacted me the most is one involving the Secret Service. One of Cronig’s customers saw that the Secret Service was there, and she was behind him in the line, and I was the cashier. She asked if they were the ones who took care of our president, and he said that the Secret Service didn’t take care of the president; that was up to his wife. He informed her that their job was to protect presidents and their families. She was very offended by his answer. I thought it was a straightforward answer, but it was interesting to witness her indignant reaction. I have seen many famous people at Cronig’s, including the actor who last played Superman, Henry Cavill, but I never say anything. I applied the Vineyard approach. They are here probably running away from paparazzi and enjoying some downtime, so I always remain neutral. But it is still nice when you see people that have informed your taste in music like Carly Simon, whom I get to see all the time.

How have you changed as an individual since moving to the U.S.?
I have had many conversations with Americans who were born and raised in this country. For Americans who were born here, I think it might be easy and even natural for them to defend and honor the values of this country. But for immigrants, it is definitely a choice.
I have talked a lot about this lately, which is how badly you want something. I don’t think English is an easy language to learn, much like Portuguese, but I can’t live in this country and not speak its language, or even learn about the culture. I am in the U.S., and I can’t try to lead a Brazilian way of life here, a Brazilian mentality per se. It doesn’t work. It is like calling God your father but serving the devil — you cannot serve two masters. But this is my point of view. Nothing changes if I don’t change my tactics toward what I want in life. My life will not change; I will not be able to take on opportunities if I am not prepared for them. But there is nothing like the Brazilian hospitality, especially for the people who don’t have family in this country. We need one another to thrive, but in my point of view, we also need to hold each other accountable. These are my observations, but I am also open to corrections and suggestions about my perceptions. However, our decisions will decide our future. I cannot even imagine living in Brazil anymore. I would have to readapt. It would be harder to do it than when I had to adapt to the U.S. Respectfully, it would feel like walking backward because my entire life is here now; I would have to start all over again.

What is your biggest dream in life at 30?
I want to go to Berkeley. I have a high school diploma from Brazil, but I am currently studying to pass the HiSET in Massachusetts, because I think it is important that I have a high school diploma from the U.S., as I would like to one day be able to attend college. Attending Berkeley will always be the biggest dream of my life. I sing — well, I try anyway. Many people encourage me to record a single. I compose my songs, and I dabble in poetry. It is my hope to one day make this dream come true.

Portuguese Translation – Tradução em português

A primeira entrevista do ano com um membro da comunidade brasileira na ilha é com Aloísio Vargas. Ele é um cantor talentoso e um membro ativo de sua igreja, entre muitos outros papéis que desempenha na comunidade. Conversamos sobre crescer e amadurecer em terras estrangeiras, seu maior sonho na vida e a importância de aprender inglês.

Quantos anos você tinha quando chegou na ilha? Você sonhou em morar nos EUA?

Eu tinha 17 anos. Acho que todo mundo que está no Brasil e sonha em se mudar para os Estados Unidos tem essa visão de vir para um Brasil desenvolvido, e um exemplo seria a Flórida e a Califórnia. Quando cheguei aqui, não foi o que encontrei. Eu pensei que a ilha era feia no começo. Mais uma vez, minha impressão foi baseada nos filmes que eu assisti quando criança. É o mesmo com o Brasil, mas invertido – os filmes tendem a retratar um lado horrível e violento; o filme “Cidade de Deus” é um exemplo. No entanto, o Brasil é um país bonito, mas muitas pessoas nunca ouviram falar de lugares como Campos do Jordão, Fernando de Noronha ou mesmo cidades históricas como Ouro Preto – todos esses lugares que qualquer pessoa interessada no Brasil deve pesquisar. A mídia adora retratar o Brasil de maneira não tão favorável, ao contrário dos Estados Unidos, onde apenas o belo é destacado. “Esqueceram de Mim” é um exemplo – o Natal em Nova York. Mas quando cheguei, não foi o que vi, mas os seres humanos são muito adaptáveis, e sou uma daquelas pessoas que, quando chego a um lugar, me esforço para me tornar parte dele, e nunca morei em nenhum outro lugar além da Ilha. Eu moro aqui, e gasto meu dinheiro aqui, sou a favor e com a comunidade. Acho que é assim que você precisa se aproximar de um lugar que escolhe chamar de lar.

Quais foram seus maiores desafios no início?

O idioma. Eu ainda estou aprendendo inglês e sempre gostei de ouvir músicas em inglês, mesmo quando não entendi nada – meus cantores favoritos eram Michael Jackson, Celine Dion, Whitney Houston, Mariah Carey e Stevie Wonder. Mas quando cheguei, eu nem sabia dizer “tchau”. Eu morava no interior do Brasil, e o acesso à Internet e outras maneiras pelas quais eu poderia aprender inglês eram muito restritas.

Quais foram seus primeiros empregos?
Eu nunca tinha trabalhado na minha vida. Meu primeiro emprego foi na Bizzarro, uma companhia de lixo. Aprendi sobre a importância de prestar atenção em como separamos o lixo e como é importante nos reeducarmos nesse assunto, pois isso nunca importou tanto para o nosso planeta. Depois fui para a jardinagem, uma ocupação que me lembrou o Brasil, trabalhar com a natureza. Porém me cansei de trabalhar no sol e congelar no inverno. Eu respeito as pessoas que decidem fazer esse trabalho, mas eu queria algo diferente. Então comecei a trabalhar na Lamplighter Corner. Eu trabalhei lá por anos. Foi quando eu tive que aprender inglês porque era só eu e o dono da companhia. Depois de um tempo, as encomendas e assim como as horas de trabalho enfraqueceram, e eu tive que procurar um emprego que proporcionasse um salário estável durante todo o ano, e foi quando me deparei com o Cronig’s. Eu digo que tropecei na oportunidade porque estava andando perto da loja de Vineyard Haven e vi alguém varrendo o estacionamento. Na minha opinião, naquela época, a pessoa que estava varrendo era muito velha para esse tipo de trabalho manual – no Brasil, esse trabalho seria designado para uma pessoa mais jovem. Até senti pena do homem que considerava velho demais para esse trabalho e, como estava procurando trabalho, aproximei-me dele e perguntei se estavam contratando. Abordei a situação com uma visão brasileira e, se um homem mais velho estava varrendo o estacionamento, isso significava que não havia pessoas suficientes trabalhando lá. Não abordei a situação com olhos americanos. O homem em questão era Stephan Bernier,  quem chamamos carinhosamente de Sr. B, que eu não conhecia na época, mas ele me informou que a razão pela qual estava varrendo era que ele gostava de fazer essa tarefa e que era o proprietário. Ele então me convidou para voltar à tarde para conversar. Ele me deu uma oportunidade. Faz 11 anos que trabalho no Cronig’s.

Você tem histórias engraçadas sobre celebridades que fizeram compras no Cronig’s?

Sim. Uma que me chamou a atenção envolve o Serviço Secreto. Uma das clientes do Cronig’s viu que o Serviço Secreto estava lá, e ela estava atrás de um dos agentes na fila, e eu era o caixa. Ela perguntou se eram eles quem cuidavam do nosso presidente, e ele disse que o Serviço Secreto não cuidava do presidente; isso era responsabilidade da esposa dele. Ele a informou que seu trabalho era proteger os presidentes e suas famílias. Ela ficou muito ofendida com a resposta dele. Eu achei que foi uma resposta direta e reta, mas foi interessante testemunhar a reação da cliente a qual ficou indignada. Eu já vi muitas pessoas famosas no Cronig’s, incluindo o ator que interpretou o Superman pela última vez, Henry Cavill, mas nunca digo nada. Eu adoto a abordagem da ilha de discrição. Estas pessoas estão aqui provavelmente fugindo dos paparazzi e desfrutando de algum tempo de lazer, então eu sempre permaneço neutro. Mas ainda é legal quando você vê pessoas que informaram seu gosto musical como Carly Simon, a quem eu sempre vejo.

Como você mudou como indivíduo desde que se mudou para os EUA?
Eu já tive muitas conversas com americanos que nasceram e foram criados neste país. Para os americanos que nasceram aqui, acho que pode ser fácil e até natural defender e honrar os valores deste país. Mas para os imigrantes, é definitivamente uma escolha.
Ultimamente tenho falado muito sobre isso, que é o quanto você deseja algo. Eu não acho que o inglês seja uma língua fácil de aprender, muito parecido com o português, mas eu não posso morar neste país e não falar sua língua, nem mesmo aprender sobre a cultura. Estou nos Estados Unidos e não posso tentar levar um modo de vida brasileiro aqui, uma mentalidade brasileira em si. Isso não funciona. É como chamar Deus de seu pai, mas servir ao diabo – você não pode servir a dois senhores. Mas este é o meu ponto de vista. Nada muda se eu não mudar minhas táticas em relação ao que quero na vida. Minha vida não vai mudar; não poderei aproveitar oportunidades se não estiver preparado para elas. Mas não há nada como a hospitalidade brasileira, especialmente para as pessoas que não têm família neste país. Precisamos um do outro para prosperar, mas, no meu ponto de vista, também precisamos nos responsabilizar. Essas são minhas observações, mas também estou aberto a correções e sugestões sobre minhas percepções. No entanto, nossas decisões decidirão nosso futuro. Eu nem consigo mais imaginar morar no Brasil. Eu teria que readaptar. Seria mais difícil do que quando eu tive que me adaptar aos Estados Unidos. Respeitosamente, seria como andar para trás, porque minha vida inteira está aqui agora; eu teria que começar tudo de novo.

Qual é o seu maior sonho na vida aos 30 anos?
Eu quero ir para Berkeley. Eu tenho um diploma do ensino médio do Brasil, mas atualmente estou estudando para passar no HiSET em Massachusetts, porque acho importante ter um diploma do ensino médio dos Estados Unidos, pois gostaria de um dia poder cursar a faculdade neste país. Frequentar Berkeley será sempre o maior sonho da minha vida. Eu canto – bem, eu tento de qualquer maneira. Muitas pessoas me incentivam a gravar um single. Eu componho minhas músicas e me me atrevo a também compor poesias. É minha esperança um dia tornar esse sonho realidade.