Saudade: News from and for the Brazilian community/Notícias de e para a comunidade brasileira

A Brazilian movie that tests social barriers, and a discussion about Massachusetts driver’s licences.

Regina Casé interpreta Val no aclamado filme "Que Horas Ela Volta" que começa a ser exibido esta sexta, sábado e domingo às 7:30 da noite no MV Film Center em Vineyard Haven.

A tradução deste artigo se encontra no final da versão em inglês

This Friday, Nov. 6, at 7:30 pm, the Martha’s Vineyard Film Center presents the acclaimed Brazilian film “Que Horas Ela Volta?” (The Second Mother), starring famous comedian and Globo actress Regina Casé. The movie portrays the life of Val (Regina Casé), a hardworking live-in maid. Val caters to all of her employers’ needs, as she is appreciative of having a job and a place to live. The one, and perhaps only, happy aspect of the job is her relationship with Fabinho, her employers’ only son, whom she has cared for as her own since Fabinho was a toddler. However, when Val’s daughter Jessica, whom she hasn’t seen in 10 years, decides to move in with Val to pursue her dream of applying to and attending a university, the unspoken but real class barriers that exist within the home are tested, forcing everyone to reconsider what family means.

If you can’t make it to Friday’s screening, you can watch the film on Saturday, Sunday, or next Thursday (Nov. 12) at 7:30 pm at the Film Center.

The first Thursday of every month is referred to as “translation day” at the Edgartown District Courthouse. A translator, usually Maria F. Mello, a Spanish and Portuguese court-certified interpreter from Seekonk, provides translation services for individuals who are not yet proficient in English.

On Thursday, Sept. 3, I spent the day at the Edgartown District Courthouse and met Michelle J. Da Silva, a criminal defense and immigration lawyer. I was very interested in her views regarding the driver’s license dilemma that undocumented immigrants in Massachusetts face. Most of the Brazilians in court that day were confronting the same charge — they had been charged with driving without a license.

Some states, such as Connecticut, have created a driver’s license for undocumented immigrants, one that doesn’t grant the same privileges as an American citizen, or a legally documented immigrant, but that helps ensure public safety and accountability. In Massachusetts, similar initiatives to allow undocumented immigrants to drive legally remain on hold.

Michelle J. Da Silva agreed to an interview in which she shared her views on the matter.

MVTimes: Please tell me about your law practice involving Brazilian nationals.

Michelle J. Da Silva: My practice areas are immigration, criminal defense, and divorce. I would say that 80 percent of my clients are Brazilians, with the remaining being from Spanish-speaking nations.

MVT: To what extent do motor vehicle violations, specifically driving without a license, account for the cases you handle?

MD: Of my criminal defense practice, about 20 percent of cases involve operating without a license and operating under the influence of alcohol or drugs.

MVT: Is there a typical scenario for the Brazilian national charged with driving without a license?

MD: The typical scenario involves an undocumented immigrant (typically Brazilian in my practice, since I am fluent in Portuguese) who is driving using a “foreign or international license.” Most of the time, the clients are first-time offenders who are frightened by the U.S. legal system because of lack of knowledge and understanding of how the system works. They seek the assistance of an attorney to help them navigate the system.

Many undocumented immigrants are under the mistaken belief that a foreign license gives them the right to drive in the Commonwealth of Massachusetts. Unfortunately, there are unscrupulous businesses that provide these “international licenses” (for a fee, of course) and who often prey on these undocumented immigrants’ fears and misinformation about the true validity of these licenses.

After they acquire the license, they have a false sense of security that they are eligible to drive. It is only once they are stopped by the police and issued a citation and summoned into court for driving without a license that they come to realize that they were defrauded.

However, although the minority of the cases, some undocumented immigrants use the international license as an excuse to violate the laws knowingly.

MVT: Please comment on the typical outcome for a first-time offender on the mainland versus what you know of the outcomes on Martha’s Vineyard.

MD: It is important first to note that the law gives the judge discretion in the fine amount, up to $500 for the first offense. A typical outcome in my experience is that a case is dismissed on fine of $300 to $500 for a first offense. The difference on Martha’s Vineyard from the mainland is that most of the unlicensed-operation violations are held on the same day [because it is the only day there is a Portuguese interpreter available], thus allowing much more consistency in the judge’s ruling.

MVT: Based on what you have observed, is the system for issuing driver’s licenses broken?

MD: In my opinion, the system for issuing licenses is not broken; it is that the current laws are not adequate for the times we are living in. The reality is that we do have undocumented immigrants living within our communities, and will continue to have as long as U.S. employers are willing to employ them. It is also true that U.S. employers will continue to employ these individuals if the U.S. labor market cannot produce the quality of workers that come from abroad. Therefore, the first issue that must be addressed is the need for comprehensive immigration reform.

However, because of the current gridlock in Congress and the polarization involved with the topic of immigration, it is unlikely that we will see any immigration reform shortly. Therefore, a better solution would be to provide licenses for these undocumented immigrants, so that not only do we know who is living among us, but we also reduce the burden to our court system.

Also, by allowing these undocumented immigrants to have access to licenses, we would also be protecting our society. Right now, many undocumented immigrants drive without insurance; that endangers the public and other drivers on the road — this occurs not because they want to evade the law, but because without a valid driver’s license, an insurance company will not insure them.

MVT: In general, do your clients think they are fairly treated by the courts?

MD: Yes, I do think that my clients are treated fairly because I fight for their rights.

Overall, I do believe the system works. Undocumented individuals have all the rights afforded to them as those of a native person in this country. However, I think the system works better for those who have private legal representation than those who do not. In my experience, most of my clients have never been involved with the legal system either here in the U.S. or abroad in their home country. This makes going to court a very scary experience, because many of them think that if they go to court they are automatically going to be deported. The undocumented individual’s fear of the legal system is only because of their lack of education about the American justice system. As a private counsel whose practice deals with a large number of undocumented individuals, I find it necessary to provide a basic understanding of the criminal justice system to my clients in order to ease their fears, which in turns makes them much more trusting of the system and reassures them that they are getting a fair treatment when their case is heard.

Michelle Da Silva’s Law Office Contact Information:

470 Atlantic Avenue, Suite 400 

(781) 223-6100 

http://www.lawdasilva.com

Portuguese translation – Tradução em português

Nesta sexta-feira, dia 6 de novembro, às 7:30 da noite, no Martha’s Vineyard Film center, o filme brasileiro “Que Horas Ela Volta” será exibido. O filme tem recebido diversas críticas positivas. A atriz e comediante global Regina Casé faz o papel de Val, uma empregada doméstica que trabalha há anos para uma família que também a concede moradia. Val gosta do emprego por lhe proporcionar um lugar para morar, assim como um salário. Mas talvez o único elemento positivo de seu emprego seja a sua relação com Fabinho, de quem Val cuida como filho desde que ele ainda era um bebê. Porém, quando sua filha Jessica, que Val não vê há dez anos, decide mudar para onde Val mora, para correr atrás de seu sonho de passar no vestibular e cursar faculdade, as barreiras de classes sociais existentes na casa, mas nunca discutidas, começam a serem testadas, forçando todos a reconhecer o que uma família realmente é.

Se você não conseguir ir a sessão de sexta, pode ver o filme no sábado, domingo ou na próxima quinta (12/nov) às 7:30 da noite no Film Center.

A primeira quinta-feira do mês é conhecida como “dia da tradução” na corte de Edgartown. Um tradutor(a), geralmente Maria F. Mello, uma intérprete de português e espanhol certificada pela corte de Seekonk, provê tradução para indivíduos que ainda não são fluentes em inglês.

Na quinta-feira, dia 3 de setembro, eu passei o dia na corte de Edgartown, onde conheci Michelle Da Silva, uma advogada de defesa criminal e imigração. Eu fiquei muito interessada na opinião de Michelle no tocante dilema que imigrantes que não possuem documentação adequada enfrentam quando se trata de uma carteira de motorista no Estado de Massachusetts. A maioria dos brasileiros em corte naquele dia enfrentavam o mesmo problema – eles estavam na corte por dirigem sem uma carteira de habilitação.

Alguns estados, como Connecticut, já criaram carteiras especificas para imigrantes sem documentação adequada para morar nos Estados Unidos, mas não fornecem os mesmos privilégios que americanos desfrutam, ou imigrantes com documentação adequada. Porém, essas carteiras foram criadas para ajudar a garantir segurança pública, assim como prestação de contas.

Michelle J. Da Silva concordou em dar uma entrevista na qual compartilha seu ponto de vista sobre o assunto.

MVTimes: Por favor descreva sua prática de lei que envolve brasileiros.

Michelle J. Da Silva: As minhas áreas de prática são imigração, defesa criminal e divórcio. Eu diria que 80% dos meus clientes são brasileiros, e os demais são clientes de nações cuja língua oficial é o espanhol.

MVT: Até que ponto as violações de trânsito especificamente dirigir sem licença, contabiliza os casos que você lida?

MD: Na minha prática de defesa criminal, cerca de 20% dos casos envolvem dirigir sem carteira de motorista e dirigir sob a influência de álcool ou drogas.

MVT: Existe um cenário típico para o brasileiro acusado de dirigir sem uma carteira de motorista?

MD: O cenário típico envolve um imigrante sem documentação (tipicamente brasileiro, na minha prática, uma vez que eu sou fluente em Português) que está dirigindo usando uma “licença estrangeira ou internacional”. Na maioria das vezes, os clientes são réus primários que estão assustados com o sistema legal americano, por causa da falta de conhecimento e compreensão de como funciona o sistema. Eles procuram a assistência de um advogado para os ajudar a navegar pelo sistema.

Muitos imigrantes sem documentação estão sob a crença equivocada de que uma licença estrangeira lhes dá o direito de conduzir no Estado de Massachusetts. Infelizmente, há empresas sem escrúpulos que fornecem esses “licenças internacionais” (por uma taxa, é claro) e que, frequentemente, aproveitam-se dos medos e desinformação dos imigrantes sem documentos sobre a verdadeira validade dessas licenças.

Depois de adquirir a licença, eles têm uma falsa sensação de segurança de que eles são habilitados para a condução. É somente quando eles são parados pela polícia, recebem uma citação e são convocados ao tribunal por dirigir sem uma licença que eles percebem que foram defraudados.

No entanto, embora na minoria dos casos, alguns imigrantes sem documentos usam a licença internacional como uma desculpa para violar as leis com conhecimento de causa.

MVT: Por favor, comente sobre o resultado típico de um réu primário em outras cidades de Massachuseets e para um réu primário em Martha’s Vineyard.

MD: É importante primeiro notar que a lei dá ao juiz critério para decidir o valor da multa, até US$ 500 para a primeira ofensa. Um resultado típico, na minha experiência, é que um caso é encerrado com uma multa de US$ 300 a US$ 500 para uma primeira ofensa. A diferença em Martha’s Vineyard é que a maioria dos casos de violações sem licença são realizadas no mesmo dia porque é o único dia no qual há um intérprete de português disponível, permitindo assim muito mais consistência na decisão do juiz.

MVT: Baseado no que você tem observado, o sistema de emissão de carteiras de motorista é defeituoso?

MD: Em minha opinião, o sistema de emissão de licenças não está quebrado; é que as leis atuais não são adequadas para os tempos em que estamos vivendo. A realidade é que nós temos imigrantes sem documentos vivendo dentro de nossas comunidades, e continuaremos a ter, enquanto os empregadores dos EUA estiverem dispostos a empregá-los. Também é verdade que os empregadores norte-americanos continuarão a empregar esses indivíduos se o mercado de trabalho dos EUA não pode produzir a qualidade de trabalhadores que vêm do exterior. Portanto, a primeira questão que deve ser abordada é a necessidade de uma reforma abrangente da imigração.

No entanto, por causa do impasse atual no Congresso e da polarização envolvida com o tema da imigração, é pouco provável que vejamos qualquer reforma da imigração em breve. Portanto, a melhor solução seria a de fornecer licenças para estes imigrantes sem documentos, para que possamos não só saber quem está vivendo entre nós, como também reduzir a carga do nosso sistema judicial.

Além disso, ao permitir que esses imigrantes sem documentos tenham acesso a licenças, estaríamos também protegendo a nossa sociedade. Agora, muitos imigrantes sem documentos conduzem sem seguro; o que põe em perigo o público e outros motoristas nas estradas – isso não ocorre por que eles querem fugir da lei, mas porque, sem uma carteira de motorista válida, uma companhia de seguros não vai segurá-los.

MVT: Em geral, os seus clientes acham que são tratados de maneira justa pelos tribunais americanos?

MD: Sim, eu acho que meus clientes são tratados de forma justa porque eu luto pelos direitos deles.

No geral, eu acredito que o sistema funciona. Indivíduos sem documentos têm todos os direitos concedidos a eles como as de uma pessoa nativa neste país. No entanto, eu acho que o sistema funciona melhor para aqueles que têm representação jurídica de direito privado do que aqueles que não o fazem. Na minha experiência, a maioria dos meus clientes nunca esteve envolvido com o sistema jurídico, seja aqui nos EUA ou no exterior, em seu país de origem. Isso faz com que ir ao tribunal seja uma experiência muito assustadora, porque muitos deles pensam que, se forem ao tribunal, eles serão automaticamente deportados. O medo do indivíduo em situação irregular do sistema jurídico é só por causa de sua falta de educação sobre o sistema de justiça americano. Como uma advogada privada, cuja prática lida com um grande número de pessoas em situação irregular, acho que é necessário fornecer uma compreensão básica do sistema de justiça criminal para os meus clientes, a fim de aliviar seus medos, que por sua vez os torna muito mais confiante no sistema e assegura-lhes que eles estão recebendo um tratamento justo quando seu caso for ouvido.

Informações sobre o escritório da advogada Michelle Da Silva:

470 Atlantic Avenue, Suite 400 

(781) 223-6100 

http://www.lawdasilva.com